Ram Charan revela os três eixos da boa comunicação interna em empresas

publicado 10/06/2019 19h20, última modificação 10/06/2019 19h20
Campinas – Durante CEO Fórum, o guru de negócios frisou o papel das companhias em atualizar colaboradores em relação aos acontecimentos externos
Ram Charan palestra durante CEO Fórum de Campinas.jpg

Ram Charan palestra durante CEO Fórum de Campinas

Realizar webcasts mensais para os funcionários é uma forma de defesa das empresas contra as “Fake News”, segundo o professor de Harvard e consultor de empresas como DuPont, Ram Charan. Na visão dele, é preciso comunicar três tipos de mudanças em relação às questões externas à companhia: comportamento do consumidor, concorrência e as regulatórias relacionadas ao negócio.

A afirmação foi feita durante o CEO Fórum, na última terça-feira (04). O evento contou também com a presença da Presidente da P&G Brasil, Juliana Azevedo; o Presidente do Comitê Executivo Holding Azul S.A. na Azul Linhas Aéreas Brasileiras, José Mário Caprioli; o Fundador da Exboss, Alexandre Pellaes, e estudantes de programação e desenvolvimento de jogos na escola Happy Code.

O especialista frisou também a comunicação e aprendizado com os clientes. “Quantos pontos você tem de contato com o seu consumidor? Normalmente mais de 40, mas você precisa de apenas quatro para encantá-lo, descubra quais são e trabalhe neles”, explicou. Charan acrescentou que líderes também precisam ter contato com os clientes finais: “CEOs vão para call centers todo dia para escutar as ligações e o CEO da Amazon lê um relatório mensal de 60 páginas com feedbacks dos clientes.”

PALAVRA DE LÍDER

Na visão de Juliana, a principal missão do líder é ser didático em direcionamentos. “O líder tem que passar a estratégia da empresa para todos, de forma simples; todos têm que carregar”, abordou. Ela lembrou também da importância de dar autonomia aos colaboradores: “É preciso empoderar as pessoas da linha de frente.”

Pellaes completa lembrando que liderança não é característica de líder, mas sim de uma relação entre pessoas. “Hoje existe uma febre em mudar a gestão e o modelo de gestão, mas é preciso primeiro mudar nossa compreensão sobre o que fazemos; Nossas ações”, apontou.

O fundador mencionou também a mudança entre a percepção de emprego e trabalho, mostrando como as pessoas significam essa jornada atualmente. “O trabalho é a minha capacidade produtiva, minha relação com o mundo através da ação, e o emprego é a sua relação com o líder hierárquico”, explicou.

Caprioli falou sobre o sucesso no ambiente de trabalho e acredita que, mesmo quando as coisas estão indo bem, não pode haver acomodação. “O sucesso no ambiente empresarial esconde uma armadilha: quando você acredita que tem, é o início do fim; Nunca acredite que o sucesso é seu estado natural”, comentou.