Saúde mental é a grande preocupação da alta liderança empresarial do Brasil, aponta pesquisa Amcham

publicado 21/06/2021 18h30, última modificação 21/06/2021 18h30
Para 49% dos executivos, a preocupação com saúde mental é alta e com todos os níveis da organização
CEO_FORUM21_banner_destaque_800x400_007.png

Com o aumento de quadros de depressão no Brasil, a preocupação das lideranças com a saúde mental dos colaboradores de suas organizações é evidente. Para 49%, a preocupação é alta e para 43%, média: apenas 8% das lideranças têm um nível baixo de preocupação com a saúde mental de seus colaboradores. 

É isso que aponta nossa pesquisa exclusiva, realizada com 199 lideranças em abril. Para esses executivos, a preocupação com a estabilidade emocional se estende para todos os níveis da organização (45%). 

“Sabemos que a saúde mental de boa parte da população brasileira foi muito afetada no último ano. Com isso, transtornos como depressão e ansiedade deixaram de ser assuntos tratados apenas no privado: com a pesquisa, entendemos que o bem estar mental está na prioridade dos gestores e lideranças empresariais. Avançamos alguns passos para naturalizar essas discussões dentro do ambiente de trabalho, sem tabus e pensando no acolhimento das pessoas. Esta tem sido uma pauta recorrente em nossas reuniões entre CEOs e diretores de todo o país”, analisa nossa CEO, Deborah Vieitas.

A pesquisa foi realizada com 199 lideranças, sendo 15% CEOs, Presidentes, VPs e Sócios; 19% diretores e 26% gerentes. A maioria dos respondentes é de grandes empresas (45%), seguido de pequenas (28%), médias (24%) e startups (4%). Os segmentos que mais participaram da pesquisa foram indústria (32%), serviços (26%) e tecnologia (11%). 

 

PAPEL DAS LIDERANÇAS

Quando questionados sobre o preparo das lideranças para atuarem como redutores de ansiedade das organizações e indivíduos, a maioria dos gestores apontou que as lideranças estão parcialmente aptas para lidar com esse desafio (62%). Cerca de 20% acreditam que suas lideranças não estão, enquanto 17% responderam que suas lideranças estavam plenamente prontas. 

 

ACOLHENDO AS VULNERABILIDADES COM CEOS DO GOOGLE, GE BRASIL, MAGAZINE LUIZA, BTA e LCABRERA

E o que as lideranças precisam fazer frente a tantos desafios de gestão? Por mais estranho que pareça, o caminho é justamente mostrar vulnerabilidade

"Assumir não ter todas as respostas, aprender com os erros ao invés de condená-los e realizar uma escuta ativa com equipes, parceiros e clientes promove um ambiente mais propício à colaboração e inovação, além de aumentar o potencial de encontrar soluções relevantes para o momento. O acolhimento da vulnerabilidade é um motivador para a performance e para elevar a conexão consigo, com a equipe, com o propósito do negócio e com as necessidades de clientes e sociedade", explica Deborah Vieitas. 

Falar sobre a vulnerabilidade como uma ferramenta para a liderança é justamente o propósito do CEO Fórum, maior encontro de líderes empresariais do Brasil e que pretende trazer cases e histórias de CEOs que escolheram esse caminho para liderar durante - e após - a pandemia.

O encontro digital acontece no dia 30/06 em nossas plataformas, com inscrição gratuita para todos os interessados. Os painelistas confirmados são Fabio Coelho, presidente do Google Brasil, Frederico Trajano, Presidente do Magazine Luiza, Viveka Kaitila, Presidente da GE Brasil, Betania Tanure, Sócia-Fundadora da Betania Tanure Associados e Luiz Carlos de Queirós Cabrera, Fundador e Presidente da LCABRERA.