Sorte no jogo (e no trabalho): conheça a gamificação nas empresas

publicado 07/02/2020 09h00, última modificação 06/02/2020 19h57
Porto Alegre – Especialistas dão dicas de como desenvolver estratégias de treinamento com games
Imagem-Ilustrativa.jpg

Imagem ilustrativa.

Um treinamento empresarial com alto nível de engajamento e que prende a atenção das pessoas. Esse é o objetivo da gamificação, metodologia que utiliza jogos para capacitação empresarial. “Percebemos que práticas de treinamento estavam sofrendo bastante dentro das empresas com a falta de interesse e atenção das pessoas”, afirma o sócio da 818 Game Academy Rodrigo Valente.

Para o executivo, a gamificação promove o melhor gerenciamento de atenção e novos indicadores para o desenvolvimento das pessoas. “Por meio dessa prática, conseguimos entregar para o RH indicadores para eles mapearem o que a empresa já sabe, o que ela não sabe, e o que ela precisa se desenvolver para ter uma melhor performance”, explica.

Rodrigo foi um dos palestrantes do nosso Programa Capacitação Empresarial (PACE), no dia 30/01, em Porto Alegre. Ao lado dele também tivemos o sócio e Head de Desenvolvimento da Napalm Studio, Thiago Bulhões. Ambos falaram sobre a aplicação, criação e efeitos da metodologia de jogos nas corporações.

COMO DESENVOLVER?

Segundo Thiago, é possível utilizar qualquer tipo de jogo para a gamificação, mas é sempre necessário um diagnóstico para aplicação do formato ideal para cada caso. “Identificar que tipo de pessoas fazem parte daquele grupo corporativo e a partir daí desenhar uma mecânica que melhora tendo seus interesses”, comenta, lembrando que deve partir da empresa conhecer a si mesma e seus funcionários.

Tendo o objetivo claro, parte-se para a fase de desenvolvimento do jogo. “Sugerimos que seja utilizado o game design como uma estrutura de trabalho”, observa Rodrigo. Para isso, a empresa precisa pensar em quem vai jogar, qual é a mecânica ou quais são as regras do jogo, que tipo de estética ele terá, qual será a historia que vai engajar as pessoas para buscar algo abstrato, quais serão as tecnologias ou elementos jogáveis e como será o gerenciamento de tempo.

Rodrigo explica que o uso do game design costuma ser uma forma de se construir um projeto dentro da empresa. Por isso, a metodologia exige uma etapa anterior de diagnóstico, da identificação e do reconhecimento desses elementos e uma etapa posterior de desenvolvimento, testes, aplicação para que depois ele possa ser aplicado de forma recorrente dentro da empresa. “Se consegue você construir uma boa mecânica e essa mecânica apresenta um desafio intelectual real para o seu jogador e com consequências emocionais aí se está no caminho de uma boa gamificação de um jogo”, conclui Thiago.

 

O QUE SÃO OS PACES?

São programas executivos com formato dinâmico e pragmático, buscando a atualização e o desenvolvimento através de conteúdo teórico, cases práticos e troca de experiências. As escolhas das temáticas acompanham tendências de mercado e demandas dos sócios, muitas vezes como desdobramento de discussões em outras atividades da Amcham. Temas como Liderança, Excelência em Atendimento, Negociação e Inteligência Emocional são os mais presentes no calendário anual.

PARA QUEM SÃO?

Para sócios e não sócios que tenham interesse no tema. Curso pago, com valor competitivo e também ofertado na versão ‘In Company’.

COMO FUNCIONAM?

Geralmente são de curta duração, mas podem ter formatos mais extensos, envolvendo uma agenda de encontros em diferentes dias e com diferentes facilitadores.