Troca de experiências com consumidor são oportunidade para marcas na Copa de 2014

por giovanna publicado 31/05/2012 15h36, última modificação 31/05/2012 15h36
Recife – As arenas esportivas criadas para receber os jogos do campeonato poderão ser usadas para promover associação de marcas com momentos felizes.

Os jogos da Copa do Mundo de 2014 representam para as marcas uma oportunidade de interação com os consumidores através de experiências positivas e emocionantes. Esse tem sido o principal atrativo para empresas que pretendem divulgar suas marcas durante o torneio nas doze cidades-sede brasileiras.

Gestores de marketing envolvidos na realização dos jogos em Recife se reuniram na última quarta-feira (30/05) para debater o assunto no comitê de Marketing da Amcham-Recife.

“Hoje o consumidor é cada vez mais experiente e racional em sua relação de consumo com as marcas, então essa é uma oportunidade única de fazer parte de momentos em que ele esteja motivado por uma paixão”, afirmou Rene Bensoussan, sócio da agência Blackninja.

O executivo aponta que arenas multiuso que estão sendo construídas para receber as partidas da Copa e depois grandes shows e eventos também são um destaque. “O atrativo é ter um palco de qualidade internacional e expor valores da sua marca, seja em um grande evento esportivo ou cultural”, analisou.

Roberta Rigaud, gerente de Marketing da Arena Pernambuco, também esteve presente ao debate. Ela defende que o contato com o consumidor através da experiência tem mais efeito do que outdoors nas ruas ou propagandas na televisão, por exemplo. “O consumidor guarda aquela experiência para si. É aí que está o retorno para a marca”, explicou.

Perfil das ações 

De acordo com Ernst Friedheim, gerente regional de Marketing da General Motors, um importante caminho para as empresas será aplicar nas arenas da Copa a tendência do chamado Ponto de Experiência (PDE). “O antigo Ponto de Venda (PDV) passa a ser esse novo espaço onde a marca traz uma vivência para o consumidor”, disse.

Mas Friedheim comenta que as ações de venda direta também continuarão a ter espaço. “As opções são várias, desde fazer negócio diretamente ou apenas reforçar a imagem da marca. O relevante é levar os clientes a momentos felizes e que, nessa hora, ele se identifique com sua marca”, completou.

registrado em: