Turismo e Coronavírus: soluções criativas e medidas do governo para enfrentar os desafios da crise

publicado 20/04/2020 11h30, última modificação 22/04/2020 18h33
Rio de Janeiro – Setor é um dos mais impactados pela pandemia
Lidiane Andreatta, diretora de Vendas e Marketing do hotel JW Marriott Rio de Janeiro, compartilhou o que a equipe vem fazendo para se manter relevante_.jpg

Lidiane Andreatta, diretora de Vendas e Marketing do hotel JW Marriott Rio de Janeiro, compartilhou o que a equipe vem fazendo para se manter relevante

Antes da pandemia da COVID-19, a expectativa era de que o turismo seria um dos setores que mais tinha chances de aumentar as receitas. Hoje, o cenário é totalmente oposto. Segundo dados da Confederação Nacional de Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), a queda nas receitas já representa 84% em relação a março de 2019. Neste contexto, apostar em soluções criativas é a saída para driblar a crise.

No caso do JW Marriott Rio de Janeiro, criatividade é o que não falta. Lidiane Andreatta, diretora de Vendas e Marketing do hotel, compartilhou o que a equipe vem fazendo para se manter relevante, principalmente em um momento tão delicado. “Mesmo com a operação, estamos seguindo firmemente as orientações da Organização Mundial da Saúde, do Ministério da Saúde e da prefeitura e governo estadual do Rio de Janeiro. As áreas comuns, como restaurante, piscina e academia estão desativadas”, disse a executiva durante o webcomitê 'Benchmark e soluções criativas para o setor de Turismo', realizado no dia 09/04.

Para Lidiane, as alternativas criadas devem ter como objetivo não só gerar receita, mas também manter um canal de comunicação com os clientes, o que é fundamental para mantê-los fidelizados após este período. Conheça as iniciativas do hotel:

HOTEL OFFICE: estabelecer uma conexão de internet constante é um dos grandes desafios do home office, já que muitas pessoas estão conectadas ao mesmo tempo. Percebendo essa necessidade, o hotel transformou seus apartamentos em escritórios, que funcionam como anywhere office em horário comercial (das 8h às 18h). Cada pessoa tem seu próprio apartamento, o que garante o distanciamento social.

LIVE STREAMING: através do fornecedor de internet, o hotel oferece uma plataforma de salas virtuais, em que até 500 pessoas podem se conectar para fazer reuniões e videoconferências. Além disso, palestrantes podem alugar apartamentos para transmitir webinários, contando com apoio audiovisual.

DELIVERY: quando a família inteira está em casa, muitas vezes é difícil conciliar o trabalho com os afazeres domésticos, como cozinhar. Por isso, o setor de alimentos e bebidas continua funcionando por meio de entrega.

Além dessas atividades, Lidiane deu mais duas alternativas que não foram implantadas no JW Marriott por falta de infraestrutura, mas que podem funcionar para outras empresas do ramo. “Alugar salas de eventos para supermercados e lojas de construção manterem um estoque é uma saída e arrendar o estacionamento para empresas de locação de automóveis também pode funcionar”, sugeriu.

 

OLHANDO PARA O FUTURO

Na visão da diretora, o mercado internacional vai demorar a se estabilizar e, por isso, é ideal que as empresas do setor de turismo se voltem para o mercado local. “Se perguntem: do que o brasileiro precisa? Investir em benefícios ou promoções para feriados e finais de semana são formas de estimular o turismo no nosso país”, ressaltou. “Além disso, olhar para mercados próximos é outro caminho. No caso do Rio Grande do Sul, minha terra natal, é possível trabalhar os mercados da Argentina e Uruguai”, pontuou.

Já no caso de convenções e feiras, responsáveis por grande parcela do turismo, o ideal é incentivar o adiamento e não o cancelamento dos eventos. “Estamos perdendo as receitas agora, mas vamos recuperar no futuro. Trocar informações e experiências com entidades do setor, certamente irá nos ajudar nessa retomada”, concluiu Lidiane.

 

MAIS PROTEÇÃO PARA O SETOR

Na semana passada, foi sancionada a Medida Provisória 948/2020 que permite o adiamento de eventos por até 12 meses sem obrigação de ressarcimento dos valores já pagos. De acordo com a MP, em caso de cancelamento de serviços como pacotes turísticos e reservas em meios de hospedagem, além de eventos – shows e espetáculos-, cinema, teatro, plataforma digitais de venda de ingressos, entre outros, o prestador de serviços não será obrigado a reembolsar valores pagos pelo consumidor imediatamente desde que ofereça opções ao consumidor. A nova MP define três possibilidades para casos de cancelamento:

- Remarcação, em que caberá aos prestadores o reagendamento dos serviços, reservas e eventos cancelados;

- Disponibilização de crédito para uso ou abatimento na compra de novos ou outros serviços, reservas e eventos, disponíveis nas respectivas empresas;

- Acordo a ser formalizado com o consumidor para restituição dos valores.

Caso o prestador não ofereça essas opções, ele deverá reembolsar o cliente do valor pago, no período de 12 meses após o fim da pandemia, com correção monetária.

 

O QUE SÃO OS COMITÊS ABERTOS?

São encontros e periódicos entre executivos de diversos segmentos voltados para atualização, benchmark e networking. Os Comitês Abertos também são exclusivos para os nossos sócios.

PARA QUEM SÃO?

São para todos(as) os(as) associados sem limites de participantes, sendo encontros gratuitos.

COMO FUNCIONAM?

Temos cerca de 110 comitês em atividade, produzindo conteúdos presenciais* de diversos temas divididos em várias frentes de atuação, com palestras, painéis de discussão e dinâmicas com speakers especializados no tema.

*Durante a pandemia da COVID-19, nossos Comitês estão sendo transmitidos online aos nossos associados. Acompanhe o nosso calendário de atividades e participe.