Uma mão lava a outra: entenda quais são as medidas tomadas na GM e SAP para proteger seus colaboradores do coronavírus

publicado 20/03/2020 18h16, última modificação 24/03/2020 18h22
Brasil – Permitir o home office em casos possíveis e liberar todos os colaboradores do grupo de risco são alguns exemplos
Permitir-o-home-office-em-casos-possíveis-e-liberar-todos-os-colaboradores-do-grupo-de-risco-são-alguns-exemplos.jpg

Permitir o home office em casos possíveis e liberar todos os colaboradores do grupo de risco são alguns exemplos

Nunca o ditado popular ‘uma mão lava a outra’ fez tanto sentido. Diante da pandemia causada pelo coronavírus, que vem abalando a economia global e vitimando inúmeras pessoas em mais de 100 países, empresas, sociedade civil e governos estão tendo que se unir como nunca para combate-lo. Para evitar o contágio, recomenda-se que grandes aglomerações e locais fechados sejam evitados, dentre outras medidas, como lavar bem as mãos e usar álcool gel 70%.

Como em empresas o ambiente costuma ser fechado e a maioria dos trabalhadores brasileiros utiliza o transporte público para deslocar-se de casa para o trabalho e vice-versa, é preciso saber as medidas a serem tomadas para proteger os colaboradores o máximo possível. “Precisamos criar um clima de calma e de controle diante dessa situação complexa que estamos vivendo”, afirma Paula Jacomo, Diretora de RH da SAP.

A executiva participou de um bate-papo online com Christian Cetera, Diretor de RH da GM, durante o nosso webinar “Uma visão do RH: o papel da área de pessoas na proteção dos negócios”, no dia 19/03. O evento faz parte da nossa programação digital sobre a Covid-19. Você pode conferir os próximos eventos da agenda de webinares clicando aqui.

Como medida para proteger os colaboradores, a SAP não somente liberou o home office como não está mais permitindo com que ninguém trabalhe dentro do escritório. “Apenas não trancamos ainda [o escritório] caso as pessoas precisem pegar objetos e pertences que ainda estiverem lá”, explica Paula. Para ela, além do trabalho remoto, a comunicação é essencial: “É um momento em que é melhor pecarmos pelo excesso do que pela falta”.

A GM tomou a mesma medida nos escritórios. Já nas fábricas, como não há a possibilidade de trabalho remoto, as iniciativas são diferentes. Um exemplo que Christian dá é que nos refeitórios não há mais bandejão e sim uma pessoa para servir os funcionários. “Quais são as coisas que posso restringir no negócio para não ter impacto econômico tão grande?”, questiona.

 

ESTENDENDO AS MÃOS

Diante de tantas mudanças, os líderes devem saber como lidar com seus times, principalmente de forma remota. “Não esqueça de fazer um check-in diário da sua equipe, às vezes apenas para saber como as pessoas estão, porque se mostrar presente é muito importante”, pontua Christian. Paula concorda: “O RH tem um papel central junto com outros parceiros na formação e desenvolvimento de líderes e num momento de crise é fundamental continuar com essas ações voltadas aos líderes, de uma maneira muito mais frequente”.

Além disso, ajudar a manter a saúde mental dos colaboradores, mesmo que à distância, é uma das tarefas mais importantes. A SAP já conta com programas de saúde mental e, diante da situação atual, está discutindo quais recursos passará a oferecer para ajudar nessa questão. A expressão ‘quem cuida de quem cuida’ também é importante neste momento: na visão de Paula, os profissionais de RH também precisam se cuidar para poder cuidar dos outros de fora efetiva. “Usar fóruns de discussão e grupos nesse momento é imprescindível”, comenta.

 

ABRINDO MÃO

“Este é um momento em que abrimos mão do ego para dar vez ao espírito de colaboração”, lembra Christian. Ele acredita que a atual situação transformará o mundo, que não voltará a ser como era antes: “Nao tem como evitar, apenas vivendo em outro planeta. Se você vive na Terra, tem que aprender a lidar e saber que isso vai te transformar”.

Paula acredita que o maior desafio hoje é a imprevisibilidade e quanto a atual situação impactará os negócios nos curto, médio e longo prazos. “Não sabermos o que vamos enfrentar pela frente e por quanto tempo enfrentaremos isso. Apesar de estarmos tomando todas as medidas possíveis, não temos o controle de tudo”, avalia.

Ambos deixam um recado final de esperança: “Sejamos solidários e conscientes na tomada de decisão. Vamos respirar fundo, aguentar firme e acreditar que isso vai passar e teremos que deixar nosso legado nessa situação de crise”.

  

Assista abaixo alguns destaques do bate papo. 

 

 

O QUE SÃO OS WEBINÁRIOS?

São transmissões ao vivo de bate-papos e entrevistas, exclusivos online, sobre diversos assuntos do mundo empresarial. Diante da atual situação com a COVID-19 no Brasil, transformamos os encontros presenciais, inicialmente programados até o dia 31 de março, em atividades digitais e webinários.

PARA QUEM SÃO E COMO FUNCIONAM?

Os webinários especiais sobre a Covid-19 são públicos, totalmente gratuitos e podem ser acessados pelo link amchambrasil.com.br/aovivo.