Valor traz reportagem especial com os destaques do "seminário Ram Charan" da Amcham-SP

publicado 08/04/2015 11h13, última modificação 08/04/2015 11h13
São Paulo - Na visão do guru indiano: "Executivos precisam aprender a conviver com a força global"
seminario-ram-charan-8503.html

Referência para CEOs de Multinacionais, o guru indiano Ram Charan esteve no Brasil para ciclo de encontros da Amcham em BH, Campinas e São Paulo. Edição de hoje (8/4) do Valor Econômico traz reportagem especial com Charan durante seminário promovido na sede da entidade no último dia 26/3.

Executivos precisam aprender a conviver com a força global

Para o pensador indiano, a força global vai influenciar a maneira de influenciar no futuro

Montar estratégias de negócios sem levar em conta o contexto internacional é um dos principais equívocos das lideranças corporativas nos últimos tempos. Essa é a opinião de Ram Charan, um dos mais respeitados pensadores sobre gestão e inovação do mundo.

"Nós estamos em um jogo global. Pare de pensar que sua empresa é local, pois ela já está sendo afetada pelas forças desse cenário", afirmou o consultor indiano. Ele esteve recentemente no Brasil em um evento sobre marcas fortes e desafios da liderança global promovido pela Câmara Americana de Comércio (Amcham-SP), onde falou para uma plateia de 500 executivos.

Charan já influenciou e ajudou a definir estratégias e conceitos em diversas corporações como Ford, GE, 3M e DuPont. Além disso, ele se destaca no mundo acadêmico. Fez doutorado na Universidade de Harvard e foi o primeiro indiano a dar aulas na prestigiosa instituição. Também lecionou em Kellogg, outra renomada escola de negócios. Seus ensinamentos ganharam projeção internacional quando foram publicados em livros e se tornaram best-sellers. Ao todo, são 18 títulos, sendo que o mais conhecido é "Execução - A Disciplina para Atingir Resultados" (editora Campus).

Em sua visão, o momento atual demanda atenção a novos fatores e o principal deles é o contexto global. Nos próximos anos, três bilhões de pessoas de diferentes países serão novos cidadãos da classe média consumidora, o que vai alterar o formato da indústria de consumo. "Some a isso a recuperação dos Estados Unidos e os mercados emergentes. São grandes áreas de crescimento. Onde você quer estar?", questionou.

Segundo ele, é preciso foco. Se uma empresa não tiver um conhecimento profundo do seu mercado, concorrentes de diferentes nacionalidades podem minar, aos poucos, sua vantagem competitiva. "Em vez de se posicionar na defensiva, parta para o ataque", afirmou Charan.

Boa parte da popularidade do consultor se dá em razão de pensamentos e receitas simples, fáceis de entender. Isso se traduz em suas palestras. Em um papel escrito a mão e projetado no telão, Charan descreveu as principais forças que vão impactar o conceito de "global game", no qual não há mais atuação isolada dentro de um mundo totalmente conectado.

A digitalização, os algoritmos e a comunicação móvel, segundo o consultor, são as principais forças de mudanças nos próximos dez anos. A tecnologia, portanto, é o condutor de um novo jogo global. Esses agentes vão mudar a estrutura da indústria e da competição internacional. "Aprenda mais sobre isso e não fique obsoleto", aconselha.

Adquirir essas habilidades, contudo, é razoavelmente simples diante do desafio de selecionar e formar capital humano. Na opinião de Charan, não há nada mais importante e difícil do que contratar a pessoa certa e multiplicar o conhecimento. O assunto é recorrente em seus livros e ganha ainda mais importância quando se trata da escolha de um CEO. "Pesquisas indicam que dois em cada cinco dirigentes falham após 18 meses no cargo. Por essa razão, conselhos inteiros estão sendo demitidos nos Estados Unidos. Ter um plano de sucessão bem estruturado é essencial para o futuro da companhia", ressalta.

registrado em: