70% dos investimentos em inovação são voltados para produtos e serviços já existentes

publicado 02/10/2013 16h41, última modificação 02/10/2013 16h41
São Paulo – Para especialista, Brasil está longe de ser um país inovador
inovacao-foto01.jpg-6704.html

De acordo com Solange Machado, responsável pelo programa de Inovação da HSM Educação e diretora da Imaginar Solutions, que realizou palestra na última reunião do Comitê Estratégico de Governança Corporativa da Amcham, em 02/10, os investimentos da FINEP em projetos de inovação são majoritariamente voltados para o incremental, isto é, para as melhorias do que já existe. “Mais de 70% da verba é direcionada para o desenvolvimento de maquinários. É preciso ir além, e pensar na chamada inovação radical”, diz.

Para ela, o Brasil não é um país inovador e está em desvantagem em relação a outros países emergentes, principalmente pela ausência de empresas que invistam em processos contínuos. “Atualmente, temos companhias desenvolvendo produtos e serviços inovadores pontuais. No entanto, ter um fluxo de processos estratégicos é fundamental para elas, pois permite a longevidade de seus negócios.”

Outra dificuldade do Brasil apontada por Solange é a falta de diálogo entre pesquisadores e empresas. A especialista em inovação e planejamento estratégico conta que parques tecnológicos e universidades estão desenvolvendo várias tecnologias sem levar em consideração os interesses das companhias.

Para alcançar um ritmo de inovação constante, Solange defende a necessidade de mudar o mindset da liderança empresarial, mostrando que estratégia é sinônimo de inovação. “A longevidade da empresa e sua liderança no futuro demandam uma revisão na estratégia de longo prazo, e uma forte conexão com processos contínuos de inovação”, conta.

Além disso, ela acredita que o Brasil precisa se atentar à educação, que não incentiva discussões entre alunos e professores. “Vivemos num cenário em que os estudantes apenas escutam, sem questionar temas levantados em sala de aula”, diz. “Para mim, o diálogo é ainda um dos melhores meios de se adquirir conhecimento.” 

registrado em: