Amcham Talks 2021: de carro voador à música popular brasileira

publicado 27/08/2021 18h28, última modificação 01/09/2021 16h37
Confira os principais insights do último dia do nosso Festival de Inovação
Amcham Talks Trends Innovation Festival.png

Pessoas criativas e colaborativas. Negócios escaláveis e sustentáveis. A sua empresa já está preparada para o futuro?

Com  o propósito de promover conexões transformadoras, fomentar a inovação e estimular a competitividade do mercado, realizamos nos dias 25 e 26 de agosto o Amcham Talks 2021 | Trends Innovation Festival - um dos maiores festivais de inovação do país.

Para incentivar tais mudanças e preparar as organizações para o futuro, a edição 2021 do Talks colocou a pauta Cultura Maker na mesa dos executivos e fomentou as discussões sobre esse movimento “mão na massa” que favorece a autonomia e o protagonismo humano ao defender que qualquer pessoa seja capaz de criar e construir qualquer coisa.

O Amcham Talks foi estruturado em 3 pilares: people, tech e business model. Confira agora os principais insights e aprendizados do 2º dia do Talks em cada pilar - veja aqui os principais destaques do 1º dia do festival.

 

A IMPORTÂNCIA DA INOVAÇÃO DISRUPTIVA

Marco Aurelio Cesarino é Head of BEACON e líder de inovação na EmbraerX, submarca da fabricante de aviões Embraer, falou sobre os projetos futuros e inovações disruptivas da empresa para os próximos anos, como o carro voador eVTOL, a gestão e controle de tráfego aéreo urbano UATM e a plataforma de manutenção de aviação Beacon

“Não há nada mais maker do que as criações da indústria aeronáutica do Brasil: essa cultura mão na massa está em nosso DNA. Somos o país que mais rapidamente desenvolve e certifica aviões do zero no mundo”, declara Marco Aurelio

Marco Aurelio acredita que as principais alavancas de inovação são: desenvolvimento tecnológico, inovação disruptiva, cultura de inovação, transformação digital e inovação aberta. Para ele, a inovação deve acontecer de dentro para fora e as empresas precisam estar atentas aos diferentes horizontes e ecossistemas de inovação.

O avanço tecnológico e a internet contribuíram para o mundo que temos hoje, mais experimental, colaborativo e escalável, pilares fundamentais para encurtar e acelerar os ciclos de inovação corporativa. Porém, Marco Aurelio afirma que "a tecnologia é um meio, não um fim. Ela é o canal para entregarmos soluções que resolvem problemas".

A EmbraerX é uma aceleradora de soluções que criam novas experiências de vida, novos negócios disruptivos que impactam a forma como as pessoas se relacionam com o mundo. Entre os principais aprendizados da empresa estão a colaboração das co-criações e o mindset experimental do fail fast.

"Tem que errar várias vezes para conseguir acertar. Comece pequeno e escale conforme o necessário, isso faz parte da cultura maker", aconselhou o líder de inovação da EmbraerX.

 

CONHEÇA NOVOS MODELOS DE NEGÓCIOS INOVADORES

Abrimos um espaço dentro do Amcham Talks para outra iniciativa que promove a inovação e a competitividade do mercado, a nossa competição de startups: Amcham Arena.

As 4 startups que tiveram a nota mais alta de cada uma das nossas 16 regionais até agora (a competição ainda está acontecendo) foram selecionadas para falar sobre suas soluções e responder perguntas.

Confira as startups que participaram com um pitch:

  • Banib: uma plataforma de tour virtual com múltiplas funções e usos.

  • Trazfavela: aplicativo de delivery que atua nas periferias de Salvador-BA.

  • Trashin: cleantech que atua na economia circular, com gestão de resíduos 360º e logística reversa.

  • Bristom: startup de gestão inteligente de irrigação agrícola e soluções de manejos.

 

Clique aqui e saiba mais sobre o Arena

 

DESENVOLVA UMA LIDERANÇA MÃO NA MASSA

“Nós estamos realmente transformados ou nós estamos apenas adaptados?”, questionou Fernando Tourinho, Diretor de Recursos Humanos da Bosch, que falou sobre a importância e benefícios da liderança mão na massa.

Segundo Tourinho, para preparar pessoas para o futuro com todas as transformações que ainda não são palpáveis, é fundamental entender que a tecnologia desse futuro não está 100% determinada, ainda estamos em processo de aprendizado e desenvolvimento. No entanto, essa preparação requer investimentos, parcerias e muita colaboração.

“Talvez, no futuro, existam mais empresas se juntando para colaborar em busca de soluções de tecnologias, não tem como fazer isso sozinho. Mais importante do que a tecnologia são os valores”, defendeu Tourinho.

Para ele, a liderança mão na massa é aquela que entende o seu papel de colaboração no time, que estimula a autonomia e protagonismo dos colaboradores, fomenta a criatividade e incentiva a comunicação aberta. Aquela cultura do comando e controle nada tem a ver com a cultura maker e deve ser não apenas questionada, como desestimulada. 

“O primeiro ponto é a consciência de que eu não tenho as melhores soluções, nem todas as respostas. O segundo é transformar todos os nossos processos com ferramentas de inovação”, afirmou o CHRO da Bosch.

 

LEIA MAIS: Entenda como as empresas podem se beneficiar do movimento mão na massa

 

SAIBA COMO O NOVO MODELO DE COMPUTAÇÃO AFETARÁ AS EMPRESAS

Agostinho Villela, Head do Laboratório de Inovação na IBM Brasil, falou sobre como a computação quântica transformará a maneira como o mundo corporativo encara seus desafios.

“A humanidade tem desafios muito práticos que estão exaurindo o que o modelo de computação que temos hoje consegue endereçar. Há problemas que o modelo de computação clássico atual não conseguirá resolver nem hoje, nem nunca. A computação quântica não propõe substituir a computação clássica, ela vem como um complemento. Entrar em espaços e resolver questões que a computação clássica não consegue” afirmou Villela.

Para ele, a física e a tecnologia que contribuíram para que o mundo passasse pela 3ª Revolução Industria, certamente nos proporcionará passar pela 4ª Revolução e a computação quântica fará parte disso.

No entanto, antes de entender o que é a computação quântica é mais importante compreender quais são os problemas que ela pode resolver:

  • Processo de fixação de nitrogênio aprimorado para a criação de fertilizantes à base de amônia

  • Melhores modelos financeiros para melhorar a estabilidade, previsibilidade e crescimento das economias mundiais

  • Novos catalisadores para tornar a conversão de CO₂ em hidrocarbonetos mais eficiente e seletiva

  • Novas classes de antibióticos para combater o surgimento de cepas bacterianas multirresistentes

Os primeiros passos para que a sua empresa se prepare para esse futuro que já está batendo na porta com urgência, segundo Villela, são: 

1- EDUCAÇÃO: comece a se educar sobre computação quântica

2- DADOS: comece a exercitar guardar os seus dados nas novas fontes de criptografia. Tenha uma preocupação imediata em mudar sua forma de criptografias para a pós-quântica. 

 

MASTER TALK: O LEGADO DA CULTURA MAKER

Ricardo Cavallini é maker e Professor na Singularity University, Embaixador MIT Sloan Management Review Brasil, Colunista no UOL, onde escreve sobre tecnologia e inovação e um dos apresentadores do Batalha Makers Brasil no Discovery Channel.

“Eu não gosto muito da palavra movimento, dá a impressão de que é algo orquestrado por alguém, prefiro dizer que estamos vivendo um momento maker, onde qualquer pessoa pode produzir qualquer coisa”, defendeu Cavallini que compartilhou diversas soluções e inovações makers, inclusive que surgiram durante a pandemia com o propósito de colaborar, simplificar e cuidar de pessoas.

Para ele, a cultura maker é capaz de criar verdadeiras indústrias e tudo pode ser melhorado. “Absolutamente tudo à nossa volta é medíocre, no sentido de ser mediano, tudo foi feito para a massa e, ao ser melhorado, se torna mais inteligente e econômico”, defendeu.

A cultura maker favorece a inovação, por isso, é tão importante que as empresas fiquem de olho nesse movimento que tem fomentado transformações e sido considerado parte da próxima revolução digital. 

No entanto, para Cavallini, é fundamental criar abertura para que a inovação aconteça dentro das empresas. Ele aponta 4 pilares que podem direcionar essa transformação de cultura organizacional: 

  • Vontade para colocar em ação

  • Capacidade técnica e conhecimento que precisam ser adquiridos

  • Processos e metodologias que devem ser definidos e implementados

  • Caminhos para que a inovação aconteça, investindo tempo, dinheiro e atenção.

“Se as empresas não criarem mecanismos não vai ter inovação, não vai acontecer um milagre”, alertou Cavallini.

 

LEIA MAIS SOBRE A MASTER TALK: 4 dicas para aplicar a cultura maker e gerar inovação

 

SEJA CRIATIVO E NÃO TENHA MEDO DE ERRAR

Jair Oliveira e Wilson Simoninha, músicos e sócios da produtora musical S de Samba, falaram sobre criatividade, pilar importante da cultura maker e competência fundamental para as criações e composições musicais publicitárias que já renderam sucessos para a produtora.

Os músicos compartilharam histórias de suas vidas e carreiras em que a criatividade foi essencial, como, por exemplo, o single “Mostra tua força Brasil”, criado para o Banco Itaú na Copa do Mundo de 2014, que se tornou um símbolo forte da cultura brasileira e teve a hashtag no top trends no mundo.

A criatividade nada mais é do que a capacidade de gerenciar o seu medo de errar”, afirmou Jair Oliveira, que acredita que esse medo espanta a criatividade e coloca as pessoas na zona de conforto.

Simoninha completou: "Não pode ter medo de arriscar, se quiser realmente fazer alguma coisa acontecer, tem que dar um passo a mais e o risco faz parte."

Com música ao vivo, ao som do sucesso Simples Desejo, composição de Jair Oliveira e Daniel Jorge Calamargo, terminamos o Amcham Talks 2021 muito bem.

 

Clique aqui e confira as íntegras disponíveis.