Dados serão o próximo recurso natural das empresas, diz ex-CEO da IBM

publicado 13/06/2019 14h13, última modificação 25/07/2019 15h18
Campo Grande – Marcelo Porto dividiu o palco do CEO Fórum com executivos da JR Diesel e da Dow Chemical para falar sobre legado e inovação no mundo corporativo
CEO Fórum Campo Grande.jpg

CEO Fórum 2019 Campo Grande

Os dados serão o próximo recurso natural utilizado pelas empresas, é o que acredita o ex-CEO da IBM e conselheiro do Museu do Amanhã, Marcelo Porto. “Hoje, 10% dos dados do mundo ainda não estão estruturados, não são buscáveis e pertencem aos incumbentes”, completou.

O executivo presente no CEO Fórum, no dia 06/06. O evento teve também a presença do CEO da JR Diesel, Arthur Rufino, e do CEO da Dow Chemical, Fabian Gil.

O impacto econômico potencial de IoT (Internet das Coisas, na sigla em inglês) é de 11 trilhões de dólares. Os bytes gerados diariamente são de 2.5 quintilhões. Deste total, as companhias tradicionais detêm 80%.

“É esse 80% o que pode impactar drasticamente a tomada de decisão das empresas”, explicou Porto. Gil falou também sobre as necessidades das companhias diante desse cenário: “Precisamos de respostas rápidas e ajuda customizada."

Entretanto, Porto não desqualifica a atuação humana no mundo digital, ele a julga necessária. “Tecnologia tem que ser cooperativa, colaborativa e não apenas mecânica”, apontou. Rufino também exemplificou como reinventou a JR Diesel para adequar-se a essas mudanças. “A cultura de uma empresa deve levar em conta o respeito aos diferentes tipos de líderes”, lembrou.

CARNE E OSSO

Além da tecnologia, a inovação parte das pessoas, portanto, Gil acredita que o fator mais importante no mercado atual é humano. “75% das pessoas abandonariam uma marca com campanhas preconceituosas”, apontou o executivo.  Ele afirma que o foco deve ser não somente no cliente e no funcionário, mas em qualquer pessoa que tenha contato com a marca.

Em um mundo conectado, o trabalho não é mais distinto do dia a dia e a inovação ultrapassa as fronteiras profissionais. “Devemos direcionar nosso foco nesse sentido”, comenta Gil. Ele acredita que as corporações devem ser um espelho das transformações na sociedade.

Sendo assim, Porto acrescenta que é preciso conhecer o cliente e se adaptar à realidade dele. “Construa um relacionamento com seu cliente, saiba do que ele gosta”, indicou o ex-CEO da IBM, que lembrou também que, hoje, as expectativas e exigências da população são maiores.