Em meio a crise, moeda virtual facilita vida do usuário, aponta especialista na Amcham Recife

publicado 18/02/2016 14h21, última modificação 18/02/2016 14h21
Recife - No comitê de TI, o executivo Marco Carnut falou sobre como os bitcoins podem reduzir custos e diminuir a burocracia de transações financeiras
marco-carnut-4479.html

Salvar tempo, gastar menos e reduzir burocracias na hora de fazer transações. Embora pouca gente saiba, esses são alguns dos benefícios que tanto empresas como consumidores podem conseguir por meio do uso das moedas virtuais, chamadas bitcoins. É isso que defende o diretor de tecnologia e inovação da Tempest Security, Marco Carnut. Ele foi o convidado do Comitê de TI da Amcham Recife, no qual fez palestra com o tema “Bitcoin: a moeda do futuro”. O evento ocorreu na manhã do último dia 17/2, no Amcham Business Center. 

Surgidos na década, passada, os Bitcoins são simples de usar e se assemelham a um email: o usuário instala uma carteira de bitcoin no seu computador ou celular, e ela vai gerar um endereço, o qual será usado para realizar e receber pagamentos. “Os bitcoins permitem criar várias contas, sendo rápido e fácil de usar, sendo a principal vantagem o fato de não fornecer nenhuma informação pessoal.”

O especialista acrescenta que, como as contas são feitas de forma aleatória, é impossível identificar o titular da conta. “Por outro lado, é preciso ter cuidado para não perder a chave da conta – e manter uma cópia num lugar seguro. Caso contrário, você fica para sempre impossibilitado de recuperar o dinheiro.”

Para Carnut, uma das principais vantagens do bitcoin é a potencial redução de custos. “Há a possibilidade de realizar a transação de maneira direta, sem intermédio de instituições financeiras, o que significa ausência de taxas, por exemplo.” Ele comenta que, mesmo quando há uma empresa intermediando as compras em bitcoin, as tarifas cobradas costumam ser bem menores que as dos cartões de crédito.

Outro benefício apontado pelo especialista foi a redução significativa da burocracia, já que a moeda virtual mostra-se com uma alternativa aos tradicionais trâmites bancários e administrativos. “Muitas empresas de serviço já têm optado por serem pagas em bitcoins. O processo acontece de forma muito mais rápida e simples”, expõe.

Para quem alega que o uso da moeda virtual seria complicado, Carnut garante que seu uso é bastante prático e acessível. Ele exemplifica que já existem cartões de débito de bitcoins, que funcionam aos moldes dos cartões pré-pagos de viagem, permitindo tanto compras em estabelecimentos físicos como saques em caixas eletrônicos (com a diferença de que o uso pode ser feito não só no exterior, mas também no próprio Brasil.) 

registrado em: