Pesquisa Amcham: para 65% das startups, maior desafio é ganhar visibilidade com grandes empresas

publicado 21/10/2019 10h30, última modificação 18/10/2019 15h55
São Paulo – 116 startups do concurso Amcham Arena participaram da enquete
Uma das 15 finalistas do Amcham Arena, Falicita da seu pitch durante final nacional.jpg

Uma das 15 finalistas do Amcham Arena, Falicita da seu pitch durante final nacional.

Em muitos casos, o grande desafio de uma startup não é criar negócios inovadores. A maioria das startups (65,5%) revela que a principal dificuldade no trato com clientes corporativos é que elas não são percebidas como possibilidade estratégica e adicional de inovação para as grandes empresas. Essa é uma das conclusões da pesquisa nacional com 116 startups que participaram do Amcham Arena, a competição de startups da Amcham Brasil realizada no último dia 17/10 em São Paulo.

Das mais de 750 startups inscritas, a vencedora foi a Biosolvit, do Rio de Janeiro. A pesquisa foi realizada entre setembro e outubro de 2019, quando as startups participaram das seletivas nacionais do Amcham Arena.

Investindo em pesquisa e desenvolvimento, a Biosolvit criou dois produtos com baixo impacto ambiental: o Bioblue, que absorve resíduos de petróleo e derivados tanto no ambiente onshore quanto offshore, e o Biogreen, uma alternativa ecológica e 100% orgânica que auxilia a absorção de água e nutrientes durante o plantio.

O objetivo do Amcham Arena é aproximar startups altamente inovadoras de corporações ou multinacionais para parcerias potenciais, investimento ou fornecimento de soluções. “O Arena surgiu da corrida estratégica do mercado por somar inovação e legado às estratégias de negócio”, contextualiza Deborah Vieitas, CEO da Amcham Brasil.

Inovação é prioridade

A inovação também é prioridade para as grandes empresas, que consideram mudanças decisivas no negócio: 68% delas cogitam atuar em outros ramos ou ampliar o mix de portfólio. O dado vem de outra pesquisa nacional sobre transformação digital da Amcham com 130 empresas associadas.

O principal motivo apontado pelos entrevistados para essa decisão é a necessidade de inovação (63%), premissa que foi considerada essencial para diversificar o portfólio da companhia e garantir ampla vida ao negócio.

“A incerteza em relação aos desafios competitivos e tecnológicos dos próximos anos está no radar das empresas. Muitas entendem que, para continuar relevantes no futuro, têm que repensar profundamente o que estão fazendo hoje”, observa a CEO da Amcham Brasil, Deborah Vieitas.

Empresas estão se preparando

Em outra questão, a maioria das empresas não se considera totalmente preparada para enfrentar os novos desafios. 54% delas analisam o estágio atual de suas empresas como intermediário. Elas têm um diagnostico de impacto das transformações e estão desenvolvendo um plano de negócio para reposicionar sua atuação.

Outros 27% se encontram na fase inicial, pois estão desenvolvendo processos internos para entender as transformações sociais e como vão impactar o negócio. Somente 19% disseram estar em estágio avançado de preparação: já estão executando um novo plano de negócios com portfólio aderente às transformações sociais e mercadológicas.

Pesquisa Amcham Arena

Em relação à pesquisa de setembro, ao mesmo tempo em que as empresas buscam inovar, as startups querem ser vistas como parceiras preferenciais dessa jornada. “Temos um contexto de novos empreendedores trabalhando para comercializar suas inovações. Nosso concurso faz o encontro dessas duas forças da economia”, contextualiza nossa CEO. 

Em relação à parte comercial e de relacionamento, 41,4% delas apontaram que a principal dificuldade é não possuir rede de contatos ou abertura com clientes potenciais. Na mesma questão, outros 29,3% apontaram dificuldades na inserção de mercado gerada pelo desconhecimento do produto. São empreendedores que encontram dificuldades em comunicar ao público alvo o valor agregado da sua inovação.

Parceiro estratégico

Os dados evidenciam as grandes empresas como estratégicas para as startups. Quando se pensa em canais de comercialização, 56,9% afirmaram priorizar grandes empresas, clientes e investidores. O foco em redes sociais ou canais digitais aparece em seguida, com 18,1% das escolhas. Eventos e ações de novos relacionamentos também recebeu 18,1% das respostas.

O motivo é que as grandes corporações abrem a possibilidade de escalar o negócio por meio da rede de compradores que elas possuem, segundo 29,3%. Outros 21,6% disseram ser o acesso aos mercados dessas organizações. Para 12,9%, ganhar visibilidade é o que motiva a escolha pelas grandes.

Novas conexões

Ao serem questionados sobre a expectativa de participar do Amcham Arena, os empreendedores responderam que era ganhar visibilidade para o negócio e também acesso a mercados, com 17,2% cada.

Questionados sobre a visibilidade trazida pelo Amcham Arena, 56% responderam que fizeram de 1 a 5 novos contatos em virtude da competição, enquanto 12% obtiveram de 5 a 10 novas conexões para o negócio. Outros 7,7% obtiveram entre 10 a 20 novos contatos, e 24,1% não fizeram nenhum contato.

A maioria dos contatos foi para relacionamentos e troca de informações (44,3%) e relacionamento comercial (31,8%). E 12,5% se referiam a outras parcerias de negócio. Das startups que receberam contatos, foi realizada uma média de 2,1 reuniões profissionais.

registrado em: , ,