Produto diferenciado é o que gera a vontade do cliente de comprar, avalia criadora da Brigaderia

por marcel_gugoni — publicado 17/12/2012 12h10, última modificação 17/12/2012 12h10
São Paulo – Para Taciana Kalili, a marca e a experiência de consumo têm efeito sobre o desejo de compra.
taciana_195.jpg

O brigadeiro não é um produto inovador: ele pode ser encontrado em qualquer festinha de aniversário nas mais diferentes cidades do Brasil. O diferencial do quitute vendido pela Brigaderia é que, por trás do docinho em versão gourmet, há um conceito de embalagem e apresentação do produto que atrai o olhar o consumidor. Taciana Kalili, criadora da Brigaderia, diz que o conceito é o que gera a vontade do cliente de comprar o produto.

Leia mais: Empreendedores demonstram que sucesso em vender produtos já popularizados está ligado a reposicionamento de mercado e estratégias diferenciadas

“O produto em si as pessoas conseguem fazer igual, ainda mais um brigadeiro, que se faz em casa. Se eu não criasse um conceito, não haveria vontade das pessoas de comprarem meu brigadeiro”, afirma ela, citando o efeito que causam a marca e a experiência sobre o desejo de compra. O slogan da empresa combina a ideia de um produto de grife com “o doce mais amado do Brasil”.

Taciana conta que começou fazendo doces por hobby, desde a adolescência. Para abrir a Brigaderia, em 2010, deixou um emprego como designer têxtil e abriu uma produção artesanal que ela chama de ateliê para fabricar o produto. Hoje, a cartela supera os 30 sabores, dos mais variados – de uísque e cachaça, passando pelos de frutas como laranja e limão, terminando nos tradicionais ao leite e branco.

Leia mais: Veja as 12 lições de sucesso do III Encontro de Empreendedores

A internacionalização está nos planos da empresária, que em 2013 pensa em abrir uma loja experimental no exterior. Embora não diga o local, ela afirma que os planos também são consistentes para a expansão no Brasil. “Em 2013, já há um plano formatado para que abramos 50 franquias, principalmente nas capitais do Brasil, não só em São Paulo”, adianta. “Hoje, atendemos 12 lojas e nossa nova fábrica, na Barra Funda [zona oeste de São Paulo], tem capacidade para atender até 150 lojas. Queremos chegar a 200 lojas de brigadeiro no Brasil.”

Leia os principais trechos da entrevista com Taciana Kalili:

Amcham: Quais são os maiores desafios dos empreendedores no Brasil?

Taciana Kalili: O desafio do empreendedor é a questão tributária do Brasil, que é muito complexa, principalmente para quem quer ter uma operação em várias regiões, em que cada lugar tem que operar de uma forma. E as questões trabalhistas, para quem trabalha no varejo, é um impedidor de um crescimento saudável. Neste caso, a empresa até cresce, mas é preciso planejar com muito mais consciência porque realmente estes custos acabam inviabilizando a operação. As dificuldades da Brigaderia mesmo é mais uma questão de nós sermos indústria e varejo, porque temos que fabricar um produto e ao mesmo tempo ter lojas e atender o consumidor prestando um bom serviço. E nosso produto é bastante perecível, então é preciso ter cuidado nas duas pontas.

Amcham: Como a empresa criou um conceito aliado à marca?

Taciana Kalili: Isso tem muita relação com minha personalidade: nunca pensei em criar um produto sem imaginar que ele se tornaria uma marca ou um conceito. Há relação direta com a personalidade do empreendedor. No meu caso, é assim: qualquer coisa para que eu olhar, qualquer produto que eu criar, penso num conceito para ele. Isso porque o produto em si as pessoas conseguem fazer igual, ainda mais um brigadeiro, que se faz em casa. Se eu não criasse um conceito, não haveria vontade das pessoas de comprarem meu brigadeiro. Isso não se consegue somente com o produto: é preciso criar uma marca, um conceito, uma experiência, uma vontade e um desejo de a pessoa querer comprar mais.

Amcham: Quais os planos da Brigaderia para 2013?

Taciana Kalili: Fechamos o ano de 2012 com 12 lojas próprias. Em 2013, já há um plano formatado para que abrirmos 50 franquias, principalmente nas capitais do Brasil, não só em São Paulo. É um plano que vimos desde este ano formatando para que as franquias operem bem, com a mesma qualidade [das lojas próprias]. Já em 2013 planejamos tem uma loja fora [do Brasil], em caráter experimental, para que consigamos fazer um plano de crescimento no exterior. Já temos até propostas de investidores para entrar na marca Brigadeira fora do Brasil.

Amcham: A empresa acabou de inaugurar uma fábrica maior para poder crescer. Como caminha esse investimento?

Taciana Kalili: Foi algo bem calculado. Hoje nós atendemos 12 lojas e nossa nova fábrica, na Barra Funda [zona oeste de São Paulo], tem capacidade para suprir até 150 lojas. Foi um plano muito audacioso, mas muito bem pensado de acordo com o que vemos como nosso negócio de acordo com o potencial de crescimento. Queremos chegar a 200 lojas de brigadeiro no Brasil. 

registrado em: