AES, Pepsico, Korin, Duratex e Schneider contam o que fizeram para ganhar o Prêmio ECO 2013

por lays_shiromaru — publicado 05/08/2014 16h03, última modificação 05/08/2014 16h03
São Paulo – Vencedores revelam as estratégias para se destacar na categoria Práticas de Sustentabilidade
seminario-sustentabilidade-9497.html

O 2º Seminário de Sustentabilidade da Amcham reuniu, na terça-feira (05/08), executivos da AES Eletropaulo, Pepsico, Korin, Duratex e Schneider Electric, para falar do diferencial das empresas para vencer o Prêmio ECO 2013, na modalidade Práticas de Sustentabilidade.

Korin – Alimentação é saúde

Para Reginaldo Morikawa, diretor superintendente da Korin, vencedora na categoria Produtos, a filosofia de que alimentação é saúde ajudou a empresa a conquistar seu segundo Prêmio ECO, com a produção de ovos por galinhas que vivem fora de gaiolas.

Ele conta que quando a companhia embarcou no desafio da produção sustentável, em 1994, as pessoas tinham certo preconceito contra os frangos que não tomavam antibióticos. “Havia um pensamento de que remédio era sinônimo de saúde”, conta.

Os resultados comerciais expressivos com o frango de corte, principal produto da empresa, comprovam que a produção focada em bem estar animal é economicamente viável. Nos últimos quatro anos, o produto ajudou a alavancar o faturamento da empresa em 153%, o que cobriu os gastos com desenvolvimento.

“Não foi fácil, mas conseguimos manter nossos princípios e vale muito a pena. Trabalhamos para resgatar a saúde dos clientes e o sabor da comida”, diz.

AES Eletropaulo – Reduzir consumo para viabilizar negócio

Foi preciso incentivar a redução do consumo de energia – com a troca de eletrodomésticos e chuveiros, por exemplo – para a AES Eletropaulo pôr em prática o projeto de regularização de ligações energéticas em comunidades brasileiras de baixa renda. 

Ao total, foram dois milhões de pessoas (ou 554 mil famílias) beneficiadas. A Eletropaulo também ganhou com isso. Além de reduzir os custos de manutenção, aumentando a margem de lucratividade, as conexões formais de energia diminuíram os riscos de incêndio e acidentes.

“Um projeto de sucesso é feito a partir do alinhamento da inclusão social com os interesses da empresa”, afirma Paulo Penna, vice-presidente de Relações Institucionais, Comunicação e Sustentabilidade da AES Eletropaulo.

PepsiCo – Performance com propósito

Manuel Ribeiro, vice-presidente de Operações da PepsiCo, diz que a empresa é focada em resultados, mas sempre busca gerar benefícios tangíveis e intangíveis para os consumidores e funcionários. Esse foi o diferencial que garantiu o Prêmio ECO 2013 à empresa.

Desde 2011, a aveia que a PepsiCo usa para fabricar os produtos Quaker, em Porto Alegre (RS), serve também para produzir a energia utilizada na própria unidade.

“Financeiramente, não temos um retorno tão alto, mas é um projeto que é feito com paixão e nos dá muito orgulho”, conta.

Duratex – Inovação para reduzir consumo de água

De acordo com Edison Anholon, gerente de Desenvolvimento de Produtos da Duratex,um diferencial da companhia é a busca por tecnologias que reduzam o consumo de água. “produtos são controladores de consumo de água, portanto, no desenvolvimento, prezamos o conforto do usuário com o menor consumo”, diz.

O Mictório Save, da Deca, divisão de louças e metais da Duratex, recebeu o Prêmio ECO 2013 por economizar 1,5 litro a cada uso. Esse é o volume gasto por mictórios que utilizam água para eliminar a urina.

Uma membrana sintética veda o ralo assim que o líquido cai na tubulação. Como não há contato entre a urina e a água que seria utilizada num sistema comum, não há cheiro.

Schneider Electric – Levar tecnologia para lugares distantes

A Villa Smart, projeto que garantiu o Prêmio ECO 2013 à Schneider Electric, teve como proposta levar energia para Santa Helena do Inglês e Tumbira, comunidades ribeirinhas do Amazonas, que antes contavam com apenas 11 horas de energia diariamente.

Hoje, a empresa garante energia 24 horas por dia à população, o que contribui para o desenvolvimento da educação e da economia locais. Para isso, foi preciso levar tecnologias de ponta para montar a infraestrutura nas comunidades.

“Atualmente, os eletrodomésticos consomem menos energia e hoje é possível conservar mais os alimentos. Consequentemente, o desempenho das crianças na escola melhorou e as doenças por intoxicação alimentar foram reduzidas”, explica Paulo Souza, gerente de Ecobuildings da Schneider Electric.

Além disso, a instalação da Villa Smart permitiu a geração de empregos, por meio da capacitação de moradores das comunidades, que contribuíram para a consolidação do projeto.

Inscrições abertas para a edição de 2014

Estão abertas as inscrições para o Prêmio ECO 2014. Podem participar empresas de todo o país, públicas, privadas ou de economia mista e de todos os portes.

Para analisar os projetos, a Amcham contará com um júri formado por 50 integrantes, entre eles consultores, gestores, pesquisadores de universidades e especialistas em sustentabilidade. Para mais informações, clique aqui.

Veja abaixo galeria de fotos do seminário:

 


registrado em: