Vencedoras do Prêmio ECO revelaram modelo de negócios sustentável, lideranças socialmente responsáveis e diálogo aberto com os públicos-chave, analisa professor da USP

por andre_inohara — publicado 11/12/2012 18h34, última modificação 11/12/2012 18h34
São Paulo – Ricardo Abramovay, especialista em sustentabilidade, aponta que inovações têm que ser baseadas não só no lucro, mas no bem-estar das pessoas.
abramovay_195.jpg

As empresas vencedoras do Prêmio ECO 2012 demonstraram três características em comum: a capacidade de operar fazendo uso de menos recursos, a existência de lideranças engajadas com a responsabilidade socioambiental e a manutenção de diálogo com seus públicos-chave (stakeholders) – funcionários, profissionais e sociedade em geral.

“Os vencedores não surgiram por acaso. Eles só ganharam porque houve vontade de mudar”, afirma o economista Ricardo Abramovay, professor da Universidade de São Paulo (USP) e especialista em sustentabilidade.

Leia mais: Amcham anuncia empresas vencedoras do Prêmio ECO 2012

Abramovay foi um dos convidados de honra do Prêmio ECO 2012, cuja cerimônia ocorreu nesta terça-feira (11/12) na Amcham-São Paulo.

Para ele, a inovação com base na sustentabilidade, e não meramente no lucro, tem que ser estimulada. “Precisamos com urgência de inovações que reduzam o uso de matérias-primas, energia e recursos bióticos. Mais do que isso, precisamos de criações que ofereçam real utilidade à sociedade, e não de bens quaisquer que somente criem empregos e arrecadem impostos”, afirma ele.

1ª característica: modelo de negócios mais sustentável

A maioria das empresas que conquistaram o Prêmio ECO 2012 conseguiu oferecer produtos e serviços rentáveis, respeitando princípios financeiros e ecologicamente corretos, opina o professor. “Em todos os casos, existiu a preocupação explícita de redução do uso de materiais, consumo de energia e de recursos bióticos”, detalha Abramovay.

Isso contraria a lógica de lucro puro e simples. A experiência mostrou que o lucro continua importante, mas não é o principal motivo para desenvolver produtos.

“As coisas muito relevantes não têm preço e as iniciativas mais importantes dependem de ousadia, criatividade e inovação. Mesmo que isso seja feito visando à lucratividade, há pressuposto de iniciativa, culturas, que não são determinadas exclusivamente pelo sistema de preços”, observa ele.

Abramovay cita o relatório da ONG (Organização Não Governamental) WWF, que revela que as empresas não estão só fazendo economia de recursos, mas mudando o modelo de negócios.

“Nos últimos 20 anos [entre 1992 e 2012], cada dólar produzido para a economia mundial veio com uma emissão 23% menor de gases de efeito estufa, e o consumo de materiais caiu 21% no período”, argumenta ele. “Tanto em avicultura, aviação, energia ou mídias digitais, a ordem é fazer mais com menos”, resume.

2ª característica: liderança comprometida com respeito socioambiental

A segunda característica manifestada pelas empresas vencedoras do Prêmio ECO 2012 foi a liderança comprometida com sustentabilidade. “É um dos desafios mais importantes que temos pela frente, sobretudo entre as grandes empresas”, comenta o acadêmico.

De acordo com ele, a maioria dos conselhos de administração ainda prioriza o entendimento de temas de natureza financeira em relação aos desafios socioambientais.

A mudança de mentalidade tem que ocorrer o quanto antes. “A ideia de que as empresas vão mudar sozinhas simplesmente porque os mercados se transformaram é ilusória”, argumenta Abramovay.

3ª característica: diálogo aberto com os públicos-chave

Toda empresa se relaciona com profissionais, investidores e sociedade em geral. Por isso, é importante manter canais abertos de dialogo para trocar experiências e oferecer produtos adequados.

“Cada vez mais, o setor privado incorpora e faz com que suas estratégias se apoiem no enriquecimento que recebe dos stakeholders, mesmo que seja por meio de diálogos muitas vezes tensos e conflituosos, que são inevitáveis. No entanto, ambas as partes se beneficiam com isso”, avalia o professor. Uma tendência crescente é o aumento dos canais de comunicação, propiciados pelas redes sociais.

Propostas rumo à sustentabilidade

Abramovay também propôs algumas reflexões às empresas. Entre elas, contribuir para a redução da desigualdade social por meio de um modelo de negócios que traga benefícios sociais. O especialista cita o caso da loja de vestuário Patagonia, que incentiva seus clientes a não comprar roupas além do necessário e usar a peça de roupa por vários anos.

“A lógica não é produzir e paralelamente levar ação social. É fazer do negocio um meio de promover transformação social”, resume ele.

Outra proposta do professor é avaliar com precisão o impacto financeiro sobre o meio ambiente. “É preciso abandonar os preços mentirosos, que não levam em consideração os reais custos que a produção de bens e serviços impõe à sociedade”.

Como exemplo, ele cita a fabricante de artigos esportivos Puma, que calculou os custos ambientais que seu negócio gera no conjunto da cadeia de valor.

Por último, Abramovay defende mudanças na publicidade. “O Instituto Akatu fez proposta de que cerca de que 5% das verbas de publicidade da economia global sejam voltados para o consumo sustentável”, comenta ele.

Para Abramovay, o consumo colaborativo pode ser uma forma de obter novo uso econômico de alguns produtos. Para ilustrar, comentou sobre a locadora Hertz. “Ela promove aluguel de carros, repensando o papel do automóvel e sua propriedade na sociedade”, afirma.

Vencedores do Prêmio ECO 2012

A categoria Elis reconhece os melhores modelos de negócios e estratégias que incorporam a sustentabilidade. Os vencedores foram:

Elektro (grande porte)

IBM (grande porte)

Schneider do Brasil (grande porte)

Pontal (pequeno e médio portes)

Surya Brasil (pequeno e médio portes)

Na modalidade Práticas de Sustentabilidade, categoria Processos, ganharam:

BDF Nivea (grande porte)

Diageo (grande porte)

Procempa (grande porte)

Korin (pequeno e médio portes)

Pontal (pequeno e médio portes)

Já na categoria Produtos da modalidade Práticas de Sustentabilidade, venceram:

Embraer (grande porte)

Duratex (grande porte)

Santander (grande porte)

Precon (pequeno e médio portes)

Surya Brasil (pequeno e médio portes)

registrado em: