Financiamento para energia solar coloca Santander entre vencedores do Prêmio Eco

publicado 04/12/2015 08h30, última modificação 04/12/2015 08h30
São Paulo – Banco dá crédito para pessoas físicas e jurídicas junto a fornecedores credenciados
fotovoltaica-7715.html

Uma linha de financiamento específica para projetos de autogeração de energia deu ao banco Santander o Prêmio Eco 2015, modalidade Práticas de Sustentabilidade, na categoria de empresas de grande porte. O banco é a primeira instituição financeira a oferecer crédito específico para este fim, destinado a pessoas físicas e jurídicas.

Desde 2011, o Santander Brasil concede crédito para projetos e iniciativas com foco em desenvolvimento sustentável. Com abrangência nacional, o programa já emprestou cerca de R$7 bilhões para inciativas que envolvem, além do aspecto econômico, perspectivas sociais e ambientais. Somente em 2014, foram destinados R$2,5 bilhões aos financiamentos socioambientais.

Dentro dessa estrutura foi criado, em 2013, um modelo único no mercado financeiro para incentivar o uso de energia fotovoltaica, contribuindo para a diversificação da matriz energética e o crescimento de negócios sustentáveis.

Em dois anos, o Santander já financiou 291 sistemas de autogeração, em parceria com 39 fornecedores credenciados. Cerca de 75% dos beneficiados – que não precisam ser clientes do banco- são pessoas físicas. A geração é destinada ao consumo próprio das casas ou das empresas. A maior parte dos projetos já realizados está nos estados de São Paulo, Minas Gerais, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e do Nordeste.

A superintendente executiva do banco, Linda Murasawa, ressalta que este mercado ainda está em crescimento e exigirá consideráveis ganhos de escala para se tornar mensurável. Para o banco, o setor financeiro tem papel importante para estimular a atração de grandes fabricantes de painéis para o país, viabilizando esse tipo de energia em larga escala, o que leva á redução de custos de produção.

“Ao conceder crédito para esse tipo de iniciativa, o Santander Brasil assume um papel importante na diversificação das fontes de energia do país, especialmente em um momento de escassez hídrica”, comenta Linda. “O banco acredita que a participação no Prêmio Eco contribuirá para disseminar novas tecnologias voltadas ao setor energético, gerando conhecimento para o mercado”, completa.

O valor médio concedido é de R$ 34 mil e o teto da linha do Santander Financiamentos é de R$ 1 milhão – as exceções são estudadas caso a caso. As linhas de crédito de até cinco anos permitem a compra de painéis solares e toda a estrutura necessárias para sua instalação.

O processo é realizado pelo Santander Financiamentos, financeira com mais de 130 filiais e 2 mil funcionários em todo o país. A instituição trabalha apenas com fornecedores credenciados, que passam por avaliação da financeira.

“O Santander Financiamentos solicita a todos os fornecedores os documentos que garantem que o sistema foi devidamente instalado, que está dentro das especificações contratadas pelo cliente final e que atende as exigências das concessionárias de energia elétrica. Em alguns casos essa checagem é realizada in loco”, cita a superintendente.

Além de sua atuação como facilitador de crédito, o danco está desenvolvendo um projeto piloto para instalar painéis fotovoltaicos em suas agências, o que ajudará a reduzir também suas próprias emissões de carbono.

O modelo de financiamento para energia solar desenvolvido pelo Banco une o core business da instituição, que é a concessão de crédito a pessoas físicas e jurídicas, à sua estratégia de sustentabilidade, que tem como um dos pilares o fortalecimento dos negócios sustentáveis.

A expectativa da instituição é reforçar sua atuação no segmento de energia fotovoltaica, oferecendo linha que atenda às necessidades dos clientes de forma rápida, descomplicada e com taxas atrativas, declara Linda.

“Este é um mercado que está em expansão em todo o país, tanto pela legislação que ajuda a regularizar o setor, quanto pela privilegiada irradiação solar brasileira, que tornam esse setor altamente atrativo. Estamos preparados para acompanhar a evolução da demanda por financiamento”, afirma.

registrado em: