Gestão transparente valida relatórios de sustentabilidade nas empresas

publicado 02/09/2014 14h24, última modificação 02/09/2014 14h24
Recife – Comitê de sustentabilidade divulga ferramentas gratuitas para emissão de relatórios e certificados sustentáveis
glaucia-terro-8468.html


A aplicação dos relatórios de sustentabilidade como forma de gestão e transparência, norteou as palestras de Glaucia Terreo, diretora do Global Reporting Initiative no Brasil, e Juliana da Paz, superintendente no Instituto Ação Empresarial pela Cidadania, no comitê de sustentabilidade, realizado na Amcham-Recife em 19/08.

Após uma breve exposição da história e objetivo da iniciativa, criada em 1997, Glaucia lançou um desafio da sustentabilidade: “De que maneira uma empresa pode, ao mesmo tempo, ser lucrativa e contribuir com soluções para esses questionamentos” (confira aqui a apresentação completa).

Em seguida, explicou o conceito de relatório de sustentabilidade. Dividido em três dimensões (ambiental, econômica e social), envolve transparência e prestação de contas; relações com stakeholders, setor financeiro e aprimoramento contínuo de medição de mudanças.

Depois de alguns ajustes e tradução para o português, o GRI transformou a antiga estrutura do relatório, G3 em G4, dividindo em: princípios para relato (definição do conteúdo e qualidade do Relato) e itens de divulgação (itens gerais e itens específicos). Para completar, Glaucia expôs cases de empresas que fazem o relato e tendências internacionais e do Brasil.

Já no segundo bloco, Juliana da Paz explicou a importância da gestão transparente nas empresas. “As companhias estão em uma situação de extrema exposição pública e fragilidade. O alcance e impacto de uma informação crescem exponencialmente na medida em que atinge uma rede de influência que estende seus tentáculos por todo o mundo. E para posicionar-se perante esse contexto de alta complexidade não basta utilizar as mesmas ferramentas do passado, pois elas são insuficientes e incompletas”.

Conforme explica a palestrante, cabe às empresas perceber quais as melhores ferramentas para se aderir, dependendo do porte e seguimento de cada uma. Para isso, citou uma série de ferramentas gratuitas utilizadas como espécies de relatórios e certificados sustentáveis.

Por fim, Juliana apresentou o case da JBR Engenharia. Com a adoção de diversas práticas, certificados e relatórios de sustentabilidade, a empresa conseguiu integrar de maneira eficaz o seu sistema de gestão.

A seguir, a íntegra da apresentação de Glaucia Terreo, da GRI no Brasil, no comitê de sustentabilidade realizado na Amcham-Recife, em 19/08:

 

registrado em: