Nova ISO mudará processos e políticas de aquisição de equipamentos com mais eficiência energética

por giovanna publicado 17/10/2011 14h10, última modificação 17/10/2011 14h10
Recife – Publicada em junho deste ano, norma prevê adoção voluntária

Adoção de novos processos produtivos, utilização de equipamentos mais eficientes e mudança para outras fontes energéticas serão os principais impactos para as empresas que aderirem à ISO 50.001. A previsão é de Tárcio Danierbe, diretor da TCL Sistemas de Gestão.

“A ISO 50.001 visa estabelecer um modelo de gestão de energia reconhecido por certificação em busca da melhoria do desempenho energético e redução da emissão de gases de efeito estufa. Para isso, as companhias terão de revisar desde a maneira como consomem energia até sua política de aquisição de equipamentos”, explicou Danierbe, que participou do comitê de Sustentabilidade da Amcham-Recife na última sexta-feira (14/10).

O executivo destaca que a adoção da ISO, publicada em junho deste ano, é voluntária e pode ser realizada por empresas de qualquer segmento ou tamanho. Ele comenta ainda que, por abarcar todos os perfis de organizações, é difícil precisar qual porcentagem de redução no consumo de energia poderá ser alcançada.

“As empresas que já adotam processos de eficiência energética sentirão poucos efeitos. Entretanto, a norma tem alto impacto para companhias que ainda estão alheias a esse fator”, afirmou. 

Investimento e benefícios

Em relação aos investimentos para adoção da nova norma, Danierbe comenta que as empresas que optarem pela ISO 50.001 terão de focar principalmente a capacitação de profissionais para lidar com a norma e, mais adiante, a troca de equipamentos e infraestruturas com alto consumo de energia.

Entre os benefícios da aplicação da nova ISO, Danierbe destaca redução de custos, aumento da atratividade para consumidores atentos a questões ambientais e preservação de fontes energéticas.

 

registrado em: