Novelis ganha Prêmio Eco ao buscar a economia circular em sua cadeia

publicado 03/12/2015 08h30, última modificação 03/12/2015 08h30
São Paulo – Reciclagem de alumínio da companhia cresceu e pode cortar emissão de carbono à metade
eunice-lima-3635.html

Presente há 14 anos no Brasil, a multinacional americana Novelis é uma das vencedoras do Prêmio Eco 2015, modalidade ELIS (Estratégia, Liderança e Inovação para Sustentabilidade), categoria grande porte. O prêmio deve-se a seu compromisso de ser indutora de uma economia circular, o que provocou redefinições na forma de fazer negócio.

Entre os resultados, por exemplo, está o aumento da reciclagem de alumínio. No Brasil, 62% do alumínio de sua produção já vêm de reciclados, enquanto a média global da companhia é de 49% (era de 30%, em 2009). Se atingir 80% de reciclados, a empresa vai reduzir à metade a emissão de carbono incorporada a seu portfólio e evitar a emissão de 10 milhões de toneladas anuais de gases causadores de efeito estufa em toda a sua cadeia de valor.

O compromisso de ser indutora de economia circular nasceu em 2011, com a aspiração de ampliar o conteúdo reciclado em seus produtos. “Esta nova abordagem está conduzindo fortes mudanças em áreas como a reengenharia da cadeia de suprimentos, a maneira como desenvolvemos produtos e a maneira como nos relacionamos com nossos clientes, parceiros e entidades governamentais – todos com o objetivo de tornar a economia circular a principal característica de nossa gestão de sustentabilidade”, afirma Eunice Lima, diretora de Comunicação e Relações Governamentais da Novelis.

Foi necessário investir na expansão da capacidade própria de reciclagem, ampliando globalmente o potencial de processamento em 2,1 milhões de toneladas até o fim do ano fiscal de 2015, com um investimento de aproximadamente US$ 500 milhões, destinados principalmente para a Ásia, Europa e Brasil.

Apenas na unidade brasileira, em Pindamonhangaba, onde a Novelis possui o maior centro de reciclagem da América Latina, foram investidos US$ 46 milhões para a expansão da linha de reciclagem, concluída em outubro de 2014, expandindo a capacidade de 200 mil para 390 mil toneladas por ano.

“Aprimoramos o processo de desenvolvimento e gestão da cadeia de suprimentos, incluindo a instalação de centrais de captação de sucata em diversas regiões para garantir o abastecimento da produção. Até mesmo nossos clientes estão se tornando nossos fornecedores de insumo reciclado para complementar nossa visão de ciclo fechado”, comenta Eunice.

A diretora ressalta que o mercado de alumínio vive um período de rápida expansão, com crescimento de demanda estimado em 50% entre os anos de 2013 e 2020. Esse quadro é impulsionado em parte por países emergentes, acompanhando o avanço do consumo nessas regiões.

Ela destaca ainda o impacto positivo que a reciclagem proporciona frente a desafios como as mudanças climáticas e a escassez de recursos naturais, além do alto custo da energia. Por ser leve e maleável, e ao mesmo tempo resistente, o alumínio vem sendo muito utilizado para substituir outros metais que geram maior impacto ambiental. “Por ter um ciclo de vida curto, de aproximadamente 30 dias, e alto valor intrínseco, o metal atrai tanto os catadores quanto pessoas que não estão diretamente ligadas à cadeia de reciclagem”, diz.

Maior compradora e recicladora de alumínio no mundo, a Novelis tem ainda como metas globais, até 2020, reduzir em 30% o consumo de energia e em 25% o consumo de água por tonelada vendida; diminuir pela metade o valor absoluto das emissões de carbono; zerar o volume de resíduos enviados a aterros sanitários; zerar o número de acidentes registrados; ter 100% das operações engajadas com as comunidades do entorno e 100% dos profissionais com avaliação de desempenho; e disseminar seu código de conduta para todos os profissionais e fornecedores.

A empresa já ganhou o Prêmio Eco em 2005. “Vale ressaltar o processo completo e complexo de avaliação que envolve especialistas nas temáticas das categorias, o que proporciona ainda mais credibilidade à iniciativa”, avalia Eunice.

registrado em: