Pontal Engenharia é uma das ganhadoras do Prêmio ECO 2011 na categoria Sustentabilidade em Processos

por andre_inohara — publicado 18/11/2011 15h14, última modificação 18/11/2011 15h14
São Paulo – Combate ao desperdício e preocupação com sustentabilidade nas obras justificam a vitória

O combate ao desperdício e a preocupação com a sustentabilidade nas obras levou a construtora goiana Pontal Engenharia a ganhar o Prêmio ECO 2011, na modalidade “Sustentabilidade em Processos”, entre as empresas pequenas e médias.

A cerimônia de entrega da premiação será em 02/12, na sede da Amcham -São Paulo.

Quando a Pontal Engenharia decidiu aperfeiçoar sua forma de fabricar casas, conseguiu baixar não só o custo de produção, mas também o descarte de materiais.

A obsessão pela qualidade foi o que motivou a Pontal a adotar práticas sustentáveis, conta Wesley de Andrade Galvão, engenheiro de obras e gestor de Qualidade da construtora.

“Se faço um produto bem feito, porque não estender essa qualidade a todos os sistemas da empresa, à parte social e ao meio ambiente?”, questiona.

Menor descarte

A Pontal adotou uma metodologia operacional que prioriza redução do consumo, reutilização e reciclagem de materiais. Substituindo o tijolo cerâmico por blocos de concreto feitos de resíduos das obras, foi possível obter uma redução de descarte de resíduos de classe A (tijolos e concreto).

Até aqui, a economia de resíduos descartados pela Pontal em relação à média nacional (150 quilos por metro quadrado) foi de 62%. Com isso, a construtora chegou a uma marca de 57 kg/m2 de material de descarte, que quer reduzir ainda mais até 2012. A meta para esse prazo é de diminuição de 90% dos descartes.

Outro ponto de destaque na Pontal é que a produção do bloco de concreto não emite CO2, pois ele não é queimado como o tijolo furado. A queda na produção de entulho diminuiu seus custos associados, como o de ter de armazená-lo constantemente em caçambas e pagar para esvaziá-las.

A construtora também passou a selecionar fornecedores que cumpriam critérios de respeito ambiental, social, à saúde e à segurança. Como forma de incentivar a busca de melhorias contínuas, estimula a inovação em processos produtivos.

Tecnologia resultando em redução de custos

Outras tecnologias também trouxeram redução de custos.  Uma delas foi o reaproveitamento da água da chuva, captada nos telhados e armazenada em reservatórios separados para uso em bacias sanitárias, jardins e limpeza nas áreas comuns. Em períodos chuvosos, a economia gerada chega a 40%.

O aquecimento de água por energia solar para banho, por meio de painéis que captam a radiação, é mais um aspecto em relevo. Isso permite diminuir o consumo de energia elétrica entre 25% e 30% nos apartamentos.

Os resultados levaram a Pontal a projetar um crescimento superior a 160% no faturamento e na área construída entre os triênios 2010/2012 e 2007/2009. Trata-se de uma medição baseada no ciclo de obras da companhia, de 24 a 30 meses.

O modo de fazer negócios de forma sustentável se incorporou inconscientemente à Pontal, diz Galvão. “Nossos prédios, que eram pintados nas cores camurça e branca, passaram a ser verdes. Inicialmente foi por razões estéticas, mas o fato é que a filosofia de sustentabilidade entrou em nosso negócio sem percebermos.”

Reconhecimento

O reconhecimento trazido pelo Prêmio ECO é uma oportunidade para a empresa comunicar suas ações de sustentabilidade e se atualizar.

“Quando começamos a ganhar prêmios de meio ambiente, as pessoas pararam para nos ouvir. Além disso, quando os auditores vêm olhar nossos projetos, também transferem conhecimento”, assinala o engenheiro.

Prêmio ECO 2011

Neste ano, o Prêmio ECO foi estruturado em duas modalidades: “Estratégia, Liderança, Inovação e Sustentabilidade” (Elis) e “Práticas de Sustentabilidade” – esta subdividida nas categorias “Sustentabilidade em Produtos e ou Serviços” e “Sustentabilidade em Processos”.

A modalidade Elis se relaciona a modelos de negócios e estratégias mais amplas da empresa que incorporam a sustentabilidade.

Já a categoria “Práticas de Sustentabilidade” é subdividida em duas: “Sustentabilidade em Processos” e “Sustentabilidade em Produtos ou Serviços”.

A subdivisão de Processos reconhece métodos produtivos que levam em conta atributos de sustentabilidade, tanto na sua própria operacionalização quanto nas políticas que os orientam e nos indicadores que avaliam seus resultados.

Em “Sustentabilidade em Produtos ou Serviços”, são premiados os produtos, serviços ou linhas de produtos ou serviços com práticas incorporadas de sustentabilidade.

Os atributos devem fazer parte do ciclo de vida do produto ou serviço, ou seja, da concepção/design, fabricação/elaboração, distribuição, consumo/prestação e descarte/reutilização.

São doze os projetos ganhadores neste ano. Confira aqui.

29 anos reconhecendo práticas de sustentabilidade

O Prêmio ECO foi lançado em 1982, sendo o pioneiro no reconhecimento de empresas socialmente responsáveis e que desenvolvem práticas de sustentabilidade.

A premiação já mobilizou 1.979 companhias (entre brasileiras e multinacionais), com 2.455 projetos inscritos e 213 condecorados.

Realizado em parceria com o jornal Valor Econômico, o Prêmio ECO abre espaço para participação de todas as classes de empresas atuantes no País segmentadas por porte, inclusive as públicas.

Desde 2009, o foco da premiação é a "Inovação Sustentável na Gestão dos Negócios", procurando valorizar a sustentabilidade nas diferentes esferas da operação empresarial.

 

registrado em: