Brasil inicia participação no Global Entry dos Estados Unidos

publicado 25/11/2019 16h36, última modificação 25/11/2019 16h36
Washington D.C. – Medida permitirá entrada mais ágil de visitantes brasileiros em território americano
Destaque Site 800X400 (2).jpg

O governo brasileiro anunciou hoje o primeiro passo para a participação do Brasil no Programa Global Entry dos Estados Unidos, que permitirá trâmites mais ágeis de imigração para a entrada em território americano de viajantes brasileiros pré-aprovados e considerados de baixo risco.

Inicialmente, esta primeira etapa alcançará uma lista de até 20 executivos que integram o lado brasileiro do grupo de participantes do CEO Fórum Brasil-Estados Unidos. Em um segundo momento, ainda a ser definido, haverá um período de testes antes de o Programa se tornar aberto aos demais interessados brasileiros que se enquadrem em seus critérios de elegibilidade. Apenas em 2018, cerca de 2,2 milhões de brasileiros visitaram os Estados Unidos, segundo dados do Departamento de Comércio daquele país.

A inclusão plena do Brasil no Global Entry consiste em uma das dez propostas que apresentamos, em julho deste ano, para a construção de uma parceria mais ambiciosa entre Brasil e Estados Unidos. A medida também foi indicada como o principal interesse de curto prazo da agenda bilateral, em Pesquisa Amcham realizada em 2019 com altos executivos.

Em linha com o compromisso assumido pelos presidentes do Brasil e dos Estados Unidos em março de 2019, esperamos que a conclusão da entrada integral do Brasil no Global Entry ocorra com a maior brevidade possível, o que contribuirá para impulsionar o fluxo de empresários brasileiros em direção aos Estados Unidos, estimulando negócios e investimentos em ambos os sentidos. Em 2017, o estoque de investimentos mútuos entre os dois países superou US$ 111 bilhões, conforme levantamento da Apex Brasil.

Hoje, mais de dez economias – incluindo a Argentina, Colômbia e México – já operam dentro do Global Entry. Além de colocar o Brasil em melhores condições para competir com esses e outros países na atração de investimentos e na realização de negócios com os Estados Unidos, a medida representará um relevante impulso para a agenda bilateral, abrindo caminho para que os governos de ambos os países avancem rumo a iniciativas mais abrangentes.