O saldo da balança comercial, em 2013, foi de US$ 2,56 bilhões. Desde o ano 2000, quando o saldo comercial foi negativo, a diferença entre exportações e importações não era tão baixa

Comércio exterior tem o menor saldo anual desde 2000

por Pedro Antônio Cássio Silva — publicado 07/01/2014 13h13, última modificação 07/01/2014 13h13
O saldo da balança comercial, em 2013, foi de US$ 2,56 bilhões. Desde o ano 2000, quando o saldo comercial foi negativo, a diferença entre exportações e importações não era tão baixa
balanca-comercial-12meses-glinhas.jpg-9350.html

A balança comercial brasileira encerrou o ano passado com saldo de US$ 2,56 bilhões, resultado de US$ 242,56 bilhões em exportações e de US$ 240 bilhões em importações.  A queda de quase 87% no saldo comercial foi causada pelo aumento de mais de 7% nas importações e pelas exportações que não só não cresceram como chegaram a cair mais de US$ 400 milhões. O lado bom do aumento das importações é que US$ 52 bilhões delas foram investimentos em  bens de capital.

As exportações  de produtos básicos permaneceram no mesmo patamar de 2012: US$ 113 bilhões. O produtos semi-manufaturados sofreram queda de US$ 2,5 bilhões, compensada pela alta nas vendas de manufaturados de US$ 2,4 bilhões resultando em US$ 123 bilhões em exportações de produtos industrializados, permanecendo no mesmo nível do ano anterior.

A China continua sendo nosso principal parceiro econômico. As exportações  para aquele país somaram US$ 46 bilhões, enquanto importamos US$ 37 bilhões,  resultando em um superávit de quase US$ 9 bilhões. Em contrapartida, exportamos quase US$ 25 bilhões para os EUA, de quem compramos  mais de US$ 36 bilhões,  estabelecendo um novo déficit recorde de US$ 11,5 bilhões com os americanos.

As exportações brasileiras de petróleo apresentaram queda de mais de 36%. Em 2012 vendemos US$ 20 bilhões do produto. No ano passado, apenas  US$ 13 bilhões.

Já as importações do óleo foram de US$ 16,3 bilhões no ano passado e de US$ 13,4 bi em 2012. O resultado destas contas é um déficit de mais de US$ 10,2 bilhões, somente em compra e venda de petróleo. 




registrado em: