Comunicado do Conselho de Administração da Amcham sobre o fim da sobretaxa do aço brasileiro pelos EUA

publicado 29/03/2018 10h39, última modificação 12/04/2018 15h30
São Paulo - Setor privado tem papel decisivo na proposição de soluções para aumento da competitividade

Hélio Magalhães, presidente do Conselho de Administração da Amcham: comércio internacional é indutor do desenvolvimento econômico e ferramenta de promoção da competitividadeO Conselho de Administração da Amcham Brasil, maior Câmara Americana entre as 114 existentes no mundo, avalia de forma positiva a suspensão das tarifas ao aço e alumínio brasileiro anunciada na última quinta-feira (22/3) pelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.

O Conselho, formado por 30 representantes de empresas brasileiras e americanas, se reuniu na manhã de sexta-feira (23/3) e emitiu um comunicado reafirmando sua crença no livre comércio e na negociação entre governos e iniciativa privada em relação a medidas protecionistas.

Confira na integra o comunicado:

“A Amcham acredita que o comércio internacional é indutor do desenvolvimento econômico e ferramenta importante na promoção da competitividade do país e suas empresas. Nesse contexto, a elevação das tarifas de importação de aço e alumínio, anunciada pelo governo americano em 1º de março, representa um retrocesso e traz impactos negativos a todos os envolvidos.

Entendemos que nosso papel é influenciar no sentido da revogação de medidas de proteção unilaterais, assim como ampliar as discussões para a construção de uma agenda de melhoria do ambiente de negócios.

Precisamos reconhecer também a necessidade do setor privado ajudar na proposição de soluções para a continuidade da abertura de nossa economia e incremento da participação no comércio internacional.

O Brasil precisa trabalhar de forma ampla e estruturada sua rede de acordos e parceiros comerciais e alinhar-se aos padrões e regras internacionais que favoreçam nossas relações comerciais.

O caso do aço é um alerta significativo sobre a atual tendência protecionista global, que requer do Brasil cuidado e gradualismo, mas não deve reverter a importância de continuarmos perseguindo o objetivo estratégico de + Comércio, + Desenvolvimento. 

A Amcham e sua rede 5 mil empresas associadas de distintos portes e segmentos econômicos, em 14 cidades brasileiras, tem uma agenda para dialogar com os principais pré-candidatos à Presidência da República, onde a Integração do Brasil nas Cadeias Globais de Valor e o Fortalecimento das Relações Bilaterais Brasil-Estados Unidos são temas de relevância, assim como a Modernização do Sistema Tributário e a Segurança Jurídica e Atração de Investimentos.”

Hélio Magalhães

Presidente do Conselho de Administração da Amcham Brasil