Empresas adotam estratégias para expor marcas nas ferramentas de buscas da web

por agrimaldo — publicado 31/10/2010 14h27, última modificação 31/10/2010 14h27
São Paulo - Hoje, 90% dos internautas no País realizam consultas on line, informa consultor.

Seguindo uma tendência crescente em outros países, companhias brasileiras têm investido cada vez mais em estratégias como o SEM (Search Engine Marketing), o SEO (Search Engine Optimization) e links patrocinados para expor suas marcas, produtos e serviços nas ferramentas de buscas disponíveis na internet, como Google, Yahoo, redes sociais, entre outros.  A ideia central é otimizar páginas ou sites inteiros para que sejam mais visualizados na web,  explica Fábio Ricotta, co-fundador da Mestre SEO, consultoria especializada nesta atividade.

 

“Grandes empresas nos EUA já desenvolveram estratégias de marketing digital em seus budgets. No Brasil, as pessoas têm percebido que trabalhar com sistemas de busca, de forma planejada, tornou-se um importante investimento para as organizações e a expectativa é de grande crescimento nesses canais nos próximos anos”, afirmou o executivo durante o comitê de Marketing da Amcham - São Paulo nesta terça-feira (19/10).

 

Ricotta destacou ainda que os investimentos variam de acordo com o modelo e os objetivos do negócio, que podem acontecer em nichos mais específicos ou competitivos, que exigirão mais gastos com ferramentas, sistemas e equipe de monitoramento dependendo da estrutura montada. A preocupação, segundo ele, deve ser com as informações veiculadas. “É necessário começar com conteúdo de boa qualidade, e a inserção deve ser feita para facilitar a localização pelas ferramentas de busca”, indicou. 

 

Para reforçar a importância da web para os negócios, o co-fundador da Mestre Seo informou que atualmente mais de 39 milhões de brasileiros navegam na internet, e que 90% das pessoas realizam consultas on line antes de comprar. Além disso, que cerca de 20 milhões de usuários já adquiriram produtos e serviços pela web ao menos uma vez e que 96% das buscas são realizadas via Google.


Necessidade de Planejamento


Mesmo após a escolha das ferramentas de marketing digital, muitas vezes existem uma série de barreiras internas nas organizações que dificultam a implementação das estratégias, como a descrença na capacidade de retorno dos investimentos, e na própria complexidade de utilização das ferramentas que, muitas vezes, demandam relatórios, a contratação de pessoal específico, e o retorno muitas vezes não é imediato, afirmou Bruno Pimentel, diretor-geral da New Blue Marketing de Performance.

 

Para vencer esses entraves, Pimentel aconselha a formação de líderes internos que irão convencer o CEO, diretores e os departamentos envolvidos sobre a eficácia dos sistemas. “Aproximadamente 30% dos projetos morrem antes de ganharem efetividade. Toda empresa precisa de um ‘evangelizador‘, profissional com conhecimentos específicos que irá enfrentar os desafios necessários à implementação dos mecanismos da web”, apontou o diretor.


Marketing digital nas empresas


As Livrarias Saraiva e Siciliano, têm na internet o veículo mais importante para as ações de marketing da empresa. As marcas e produtos estão posicionados em diversas ferramentas como sites, aplicativos de vídeos, lojas virtuais, microblogs e redes sociais, e ao longo dos anos os investimentos no ambiente virtual têm aumentado cada vez mais, disse Rodrigo Lamosa, diretor de E-commerce.

 

Lamosa enfatizou a importância de se pensar a forma e o momento ideal para posicionar-se no meio digital. “É preciso entender claramente a maturidade da marca e o posicionamento de mercado para utilizar o meio. Com base nisso e objetivos definidos, é interessante atuar em mídias digitais específicas, apostando em ações mais agressivas”, recomendou Lamosa.

 

Nos últimos dois anos, a Universidade Anhembi Morumbi também tem modificado o foco dos investimentos, em termos de marketing, direcionando 35% deles para a internet – diminuindo a participação de gastos com propaganda na TV aberta. E a tendência é aumentar esse percentual, afirmou Jacqueline Lopes, diretora de Marketing da instituição.

 

“Nosso objetivo, assim como o de outras instituições educacionais, é a geração de matrículas, e a internet possibilita o melhor gerenciamento de resultados, uma apresentação mais abrangente da universidade e dos produtos e serviços, além de estreitar o relacionamento junto a possíveis novos alunos, efetivos, e entre pais e professores, além de conferir outros benefícios”, explicou a executiva.

registrado em: