Relação dos Estados Unidos com o Brasil não é um "capricho diplomático”, diz embaixadora

publicado 17/11/2016 16h05, última modificação 17/11/2016 16h05
São Paulo – Liliana Ayalde destaca a importância da parceria estratégica e tradicional com o Brasil
capricho-pic01.jpg-8654.html

Para a embaixadora dos Estados Unidos no Brasil, Liliana Ayalde, a parceria dos Estados Unidos com o Brasil não é um mero “capricho diplomático transitório”. "Pelo contrário, ela é um princípio e interesse fundamental da política externa dos EUA", sinalizando que a importância das relações comerciais bilaterais vai além de governos. A embaixadora fez o discurso de abertura do seminário Futuro da Relação Brasil e Estados Unidos que a Amcham – São Paulo promoveu na quinta-feira (17/11).

"Mesmo com a mudança de governo o interesse básico dos Estados Unidos em fazer parcerias com o Brasil não vai mudar, seja quem estiver na Casa Branca (sede do governo americano). Estou confiante que continuaremos a aprofundar nossas relações durante o mandato do presidente Donald Trump”, acrescenta.

 O novo presidente dos Estados Unidos não deu sinais claros de qual será a política externa do governo, mas a embaixadora acredita no fortalecimento da relação bilateral. “Haverá ajustes em iniciativas individuais e programas serão ampliados, refletindo o novo enfoque de governo. Mas a relação positiva com o Brasil não vai mudar significativamente.”

A embaixadora destacou que os dois países têm firmado parcerias tradicionais em áreas diversas, como o meio ambiente e negócios. Entre eles, o de Céus Abertos, que está em fase de aprovação no congresso brasileiro, e que vai criar “novos vínculos entre os dois países”. O acordo prevê o aumento de voos comerciais entre os dois países. Outro acordo citado por Liliana é o de importação mútua de carne bovina entre os dois países.

Em relação a novos negócios, a embaixadora destacou os setores de segurança e inovação como promissores. “Um Brasil forte e seguro se torna um parceiro de peso dos Estados Unidos em assuntos de segurança mundial”, disse Liliana. 

registrado em: ,