Agenda da Amcham em favor da competitividade brasileira e do aprofundamento da relação com os EUA avançou e ganhou maior visibilidade em 2012

por andre_inohara — publicado 19/12/2012 17h16, última modificação 19/12/2012 17h16
São Paulo – Apoio ao Ciência sem Fronteiras, interlocução com autoridades brasileiras e americanas e debate sobre reformas estruturais foram destaques no ano.
as_reformas_inadiaveis_195.jpg

O trabalho da Amcham em prol de uma maior competitividade brasileira e do aprofundamento das relações do País com os Estados Unidos avançou e ficou mais conhecido por parte de autoridades de ambas as nações em 2012.

A entidade trabalhou na intermediação do diálogo entre governantes e o setor privado brasileiro, apoiou iniciativas nacionais como o programa Ciência sem Fronteiras e teve papel ativo na formulação de proposições para reformas fundamentais ao País, como a tributária e a trabalhista, resume Felipe Magrim, gerente de Relações Governamentais da Amcham.

Ao longo do ano, cerca de 1500 executivos de empresas associadas da Amcham debateram os temas com maior impacto sobre as atividades do setor privado. As conclusões foram compiladas e entregues a um amplo grupo de parlamentares que participou do seminário ‘As Reformas Inadiáveis’, promovido pela Amcham em 30/11 como parte do programa Competitividade Brasil.

Leia mais: Parlamentares, especialistas e empresários convergem em agenda de reformas prioritárias e inadiáveis para o País

Foi a primeira vez que treze políticos – cinco senadores e oito deputados federais, com atuação expressiva no Congresso e que representam todas as regiões do País – se reuniram na Amcham para discutir as propostas consideradas mais urgentes para elevar a competitividade brasileira. Ex-ministros e especialistas também participaram do debate sobre reformas inadiáveis, passando por reforma do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços), incentivo às PPPs (parcerias público-privadas) e modernização das relações trabalhistas.

“O encontro ampliou a relação da Amcham com os congressistas brasileiros, abrindo caminho para uma interlocução crescente em questões de competitividade”, observa Magrim.

Outro episódio que reforçou a proximidade da Amcham com o governo foi a visita da presidente Dilma Rousseff aos Estados Unidos em abril para se encontrar com o presidente Barack Obama. Na ocasião, a Amcham esteve representada em reunião com a presidente na véspera de sua conversa com o líder americano e apoiou seminário organizado pelo Itamaraty do qual participaram, além da presidente, cinco ministros brasileiros e autoridades dos EUA.

Leia mais: EUA são parceiro essencial do Ciência Sem Fronteiras, afirma Dilma em Washington

Relação Brasil-EUA

Ao longo de 2012, a Amcham deu contribuições importantes para aprofundar as relações com os EUA. Várias missões americanas compostas por empresários e governantes estiveram no País e interagiram com a Amcham. Secretários de governo, como Ken Salazar (Interior), Hillary Clinton (Estado) e Janet Napolitano (Segurança Interna) foram alguns desses nomes.

A crescente vinda de membros do primeiro escalão do governo americano é um reflexo da maior aproximação entre os dois países, impulsionada desde a visita do presidente Obama ao Brasil em 2011.

“Antes de buscar qualquer tipo de tratado ou acordo comercial com os EUA, é preciso construir relações diplomáticas extremamente alinhadas e afinadas. O fluxo de investimentos da iniciativa privada segue esse caminho”, detalha Magrim.

Ciência sem Fronteiras

Um grande destaque da agenda da Amcham na área da relação Brasil-EUA em 2012 se deu no âmbito do programa do governo brasileiro Ciência sem Fronteiras. A entidade assinou acordo (MOU) com o CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico) e a Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior) para incentivar o acesso de alunos do programa a estágios no exterior, e constituiu uma força-tarefa para discutir ideias e experiências sobre os estágios.

“Trabalhamos com quase 70 empresas associadas, estimulando que elas oferecessem vagas [nos EUA e em outros países]. Foram 166 postos abertos neste ano, e a ideia é conseguir aumentar esse número em 2013”, adianta Magrim.

Leia mais: Formação e estágio via Ciência Sem Fronteiras devem ser vistos pelas empresas como investimento

Agências reguladoras

Outra frente de trabalho em que a Amcham é reconhecida é a focada na melhoria do ambiente regulatório nacional. Em 2012, esse esforço avançou e foi estabelecida uma parceria com o Programa de Fortalecimento da Capacidade Institucional para Gestão em Regulação (PRO-REG).

O programa foi criado pela Casa Civil da Presidência da República para aprimorar a qualidade regulatória. “Em 2013, pretendemos apoiar o fortalecimento do PRO-REG e ajudar a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) a eliminar gargalos de processos para dar mais celeridade à sua atuação”, adianta Magrim.

Além disso, a Amcham também vai acompanhar a tramitação do Projeto de Lei 3337/04 no Congresso. O PL propõe dar mais autonomia às agências reguladoras. “O projeto tem impacto na iniciativa privada, conforme votação do seminário de novembro, e vamos acompanhar seu andamento”, informa o gerente.

Leia mais: Pesquisa Amcham/ Vox Populi: ainda pouco conhecido pelo setor privado, trabalho das agências reguladoras é considerado importante, mas burocrático e lento