Amcham assina memorando de entendimento com CNPq para facilitar estágio de participantes do Ciência Sem Fronteiras

por andre_inohara — publicado 08/05/2012 15h01, última modificação 08/05/2012 15h01
São Paulo – Entidade se prepara para celebrar acordo semelhante com Capes, e também estrutura criação de um comitê para discutir ideias e experiências sobre o programa.
emersonwiller2.jpg

A Amcham assinou um Memorando de Entendimento (MOU na sigla em inglês) com o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), visando facilitar o acesso dos alunos do programa Ciência sem Fronteiras (CsF) a estágios no exterior.

Uma parceria semelhante com a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), responsável pela viabilização de programas de pós-graduação, também está prestes a ser concretizada. Ao lado do CNPq, a Capes é gestora das 75 mil bolsas que o governo financiará no âmbito do programa. Outras 26 mil serão patrocinadas pela iniciativa privada, totalizando 101 mil bolsas de estudo no exterior até 2015.

A Amcham terá o papel de ser uma ponte entre os estudantes e as empresas, ajudando a  complementar a experiência acadêmica com a profissional.

“O papel da Amcham é fomentar estágios dos estudantes que vão ao exterior. O Brasil tem grande capacidade de produção de estudos, mas ainda é pobre em criação de patentes. Vivenciar um ambiente de produtividade crescente, de melhoria de processos que resulta em patentes é essencial e, nesse aspecto, as empresas americanas são campeãs", disse o CEO da Amcham, Gabriel Rico, em encontro do empresariado com representantes de CNPq, Capes e Fundação Fullbright em 08/05 na Amcham-São Paulo.

Veja aqui: Ciência sem Fronteiras é oportunidade para fomentar cultura de inovação industrial no Brasil

Inicialmente, a articulação da Amcham envolverá empresas nos EUA, mas a ideia é que futuramente abranja também companhias em outros países.

Ganha-ganha

Rico, que esteve no início de maio com o presidente do CNPq, Glaucius Oliva, vê a estruturação desses programas de estágio para os participantes do Ciência Sem Fronteiras como uma iniciativa com ganhos para todos os envolvidos. “Os participantes do programa estão tendo uma formação privilegiada. Nosso interesse é que esse conhecimento volte e seja incorporado no Brasil. Precisamos nos preparar para colher os frutos do programa”, comentou o CEO.

Ne reunião do dia 8, a Amcham aproveitou para anunciar que está estruturando um novo comitê que se reunirá mensalmente para discutir ideias e experiências sobre o programa, avançando na criação dos estágios.

Reconhecimento

“A parceria que foi fechada abre o diálogo com as empresas para que elas busquem com mais facilidade o programa CsF e ofereçam estágios”, comentou Emerson Willer, coordenador técnico substituto da Coordenação de Cooperação Bilateral do CNPq.

Para Marileide Maria Augusto Vieira, coordenadora de Bolsas da Capes, a aproximação com a iniciativa privada aumenta o número de possibilidades de cooperação. Trata-se de uma forma de dizer que tanto o governo como a iniciativa privada estão dispostos a viabilizar o programa, segundo a coordenadora.