Amcham/ Ibope: 77% das empresas no País projetam aumento nas vendas em 2012

por daniela publicado 04/10/2011 13h31, última modificação 04/10/2011 13h31
São Paulo - Apesar da crise internacional, otimismo vigora também neste ano, com expectativa de 71% dos entrevistados de que haverá expansão na comercialização de produtos e serviços.
mara_lacerda.jpg

Pesquisa realizada pela Amcham, em parceria com o Ibope, junto à base de associados da entidade revela otimismo do empresariado nacional sobre seus negócios em 2011 e 2012, mesmo diante de turbulências internacionais. Pela sondagem, 77% dos executivos afirmam acreditar em aumento de vendas em 2012. Com relação a 2011, 71% fazem essa mesma avaliação.

A iniciativa privada apresenta uma visão positiva com relação aos mais variados aspectos de suas operações. A maioria planeja ou conta com aumento dos lucros (68% para 2012 e 55% para 2011), contratação de funcionários (51% e 52%) e investimentos (50% e 53%).

Foco dos investimentos

Em 2012, os investimentos deverão ser distribuídos em quatro áreas principais: estratégias comerciais que envolvem canais de vendas, promoções e ações (70% dos participantes); marketing, representando lançamento de produtos, comunicação, feiras e eventos (52%); recursos humanos, a partir de contratações, treinamentos e benefícios (51%); e inovação (47%).

“No próximo ano, há projeções de acentuado crescimento nas ações de marketing”, disse Mara Lacerda, diretora de Produtos e Serviços da Amcham, que apresentou o estudo nesta terça-feira (04/10) na Amcham-São Paulo durante o evento “Business Round Up – Perspectivas 2012”.
Para o levantamento, a Amcham ouviu 231 altos executivos de empresas associadas, de pequeno, médio e grande portes. As entrevistas foram realizadas através da internet entre 20 e 27/09.

Apesar do clima favorável, a pesquisa detectou quais são os fatores externos que mais preocupam o setor privado e que poderiam impactar o andamento das suas atividades no próximo ano. Entre eles, estão a possibilidade de desaceleração da economia nacional (64%); o sistema de impostos e a alta carga tributária (58%); a disponibilidade e a qualificação da mão de obra (43%); e o avanço da inflação (28%).

Macroeconomia

As variáveis macroeconômicas também foram analisadas pelo empresariado, conforme a pesquisa Amcham/Ibope. A maioria dos entrevistados acredita no crescimento ou na estabilidade do Produto Interno Bruto (PIB em 2012), sendo que 44% projetam expansão e 42% estabilidade. Somente 14% acreditam que o PIB apresentará queda em relação a 2011.

Para 2012, metade dos participantes do levantamento vê estabilidade na inflação no próximo ano, 44% acham que haverá aumento e apenas 6% apostam na queda.

Quando à taxa Selic, quase 50% dos pesquisados estimam estabilidade em 2012; entretanto, 28% avaliam a possibilidade de aumento e 25% esperam a queda.

Para 63% dos executivos, o câmbio ficará estável em 2012. Porém, outros 29% acham que o real ficará mais forte em relação ao dólar e 8% pensam que a moeda brasileira sofrerá depreciação.

Governo e competitividade

Outro destaque no estudo da Amcham é a avaliação de como o empresariado percebe o novo governo brasileiro em comparação com o anterior.

Um grupo de 58% concorda que, na gestão Dilma Rousseff, há interesse maior no fortalecimento da relação Brasil-EUA; 43% vêem crescimento da abertura para o diálogo com o setor privado; e 41% acreditam em melhor distribuição dos recursos para infraestrutura. Por outro lado, 54% identificam piora em relação à aprovação de uma reforma tributária.

“Há percepção de melhoria na condução da política externa, mas as empresas não identificam sinais claros na busca de acordos bilaterais de comércio”, afirmou Mara Lacerda.

Em linha com o projeto “Competitividade Brasil – Custos de Transação” da Amcham, que discute propostas para aumentar competitividade nacional, a sondagem para a Business Round Up revelou que os principais gargalos do País são: carga tributária e eficiência dos gastos do governo (65%); infraestrutura geral (15%); e a disponibilidade e qualificação da mão de obra (10%).