Amcham/ Ibope: 87% das empresas no País esperam vendas maiores em 2011

por agrimaldo — publicado 31/10/2010 14h05, última modificação 31/10/2010 14h05
São Paulo - Otimismo também se verifica para 2010, porém entre fatia ligeiramente menor dos entrevistados (79%).

Pesquisa realizada pela Amcham e pelo Ibope junto aos associados da entidade revela uma visão fortemente positiva do empresariado nacional sobre seus negócios em 2010 e 2011. Quase 80% calculam que terão aumento de vendas em 2010 e uma fatia ainda maior, de 87%, tem essa expectativa para 2011.

Os empresários mantêm o otimismo com relação aos mais variados aspectos de suas operações. Planejam ou contam com aumento dos lucros (64% no que toca a 2010 e 75% para 2011), da quantidade de funcionários (56% e 58%) e dos investimentos (55% e 63%) - aportes que estarão direcionados principalmente a estratégias comerciais (65%), contratação e treinamento de recursos humanos (47%) e inovação (46%).

Em que pese o clima favorável, o estudo também detecta preocupações do setor privado concernentes ao próximo ano. Carga tributária (principalmente entre pequenas empresas), cenário político com o novo governo, desaceleração da economia nacional, disponibilidade e qualificação de mão de obra, infraestrutura, ausência de investimentos públicos e privados para médio e longo prazos e questões regulatórias encabeçam a lista.

A pesquisa foi apresentada nesta quinta-feira (07/10) na Amcham - São Paulo durante o evento "Business Round-Up - Perspectivas 2011". No processo de sondagem, entre 16 e 29/09, o Ibope ouviu altos executivos de 500 empresas associadas à Amcham, distribuídas uniformemente entre pequenas, médias e grandes, sendo 76% de capital nacional, 14% americano e 10% de outras origens.

Visão macroeconômica

Além de mapear questões microeconômicas, o estudo da Amcham analisou tendências do ponto de vista macroeconômico. Os resultados revelam que a grande maioria das companhias espera aumento do Produto Interno Bruto (PIB) nacional neste ano e no próximo, sendo que para 2010 o otimismo é ainda mais generalizado, percebido entre 81% do total de consultados. Para 2011, essa fatia é um pouco menor, de 64%.

"A maior parte percebe um PIB crescente em 2010 e acredita em expansão também em 2011, embora não tão intensa", afirmou Mara Lacerda, diretora de Produtos e Serviços da Amcham, no evento.

Os empresários foram questionados também sobre outros temas de ordem macroeconômica. Eles preveem inflação em queda em 2010 (para 69%) e 2011 (57%) e uma tendência de estabilidade de juros (54% em 2010 e 46% em 2011) e câmbio (57% e 61%).

Competitividade

Em linha com o projeto "Competitividade Brasil - Custos de Transação", que identificou e discutiu os principais gargalos da competitividade nacional e levará propostas de melhoria ao próximo governo eleito, a sondagem Amcham/ Ibope para a Business Round-Up arguiu os empresários sobre esse tema. Aqui, novamente, a carga tributária liderou os pontos de atenção. Ela é apontada, ao lado da baixa eficiência dos gastos públicos, como o principal gap que o País precisa enfrentar, com 59% dos votos.

Os entrevistados dizem ainda que, considerando os fatores positivos de competitividade, a iniciativa privada no País aproveita muito melhor as oportunidades que se abrem em comparação com o que faz o governo.

O Ibope perguntou, por fim, de que formas as perspectivas de um novo governo afetam os negócios. Predomina uma percepção de baixo ou nenhum impacto nas áreas social, de educação, saúde e política externa. Na fiscal, 48% temem efeitos negativos com a mudança de gestão; e do ponto de vista da economia como um todo, 40% apostam em resultados melhores a partir da posse dos novos eleitos.