Como o governador Eduardo Leite está “desafogando” o RS e fazendo-o crescer mais que o Brasil

publicado 11/11/2019 16h19, última modificação 11/11/2019 16h19
Porto Alegre – Governador participou do Encontro de Líderes; eficiência administrativa e combate à sonegação foram algumas das medidas
Governador Eduardo Leite em Porto Alegre.JPG

O governador do RS, Eduardo Leite, em Encontro de Líderes em Porto Alegre.

Diminuindo a burocracia e melhorando a gestão, o crescimento do Rio Grande do Sul veio à tona. Essas foram as estratégias que o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, adotou para “desafogar” o estado.

“Estamos obtendo bons resultados através do combate à sonegação. Temos a redução dos crimes e a aprovação da venda de estatais, desafogando o estado”, disse o governador em nosso Encontro de Líderes de Porto Alegre, em 7/11. “Hoje o PIB do estado cresce acima da média nacional e o desempenho industrial está em alta”, acrescenta. Cláudio Coutinho, presidente do Banrisul, também participou do encontro.

Na abertura da sua fala para os empresários, Eduardo Leite, comentou sobre os desafios e as oportunidades para o Rio Grande do Sul. Lembrou ainda que está no começo de seu governo e que tem utilizado as dificuldades enfrentadas atualmente como incentivo na busca por melhorias para a sociedade gaúcha. “Nós queremos uma solução para o bem de todos, e não apenas que seja algo legal para o governo atual”, comentou.

Leite abordou os problemas que encontrou quando assumiu em janeiro, como a máquina pública sucateada, a falta de verba para pagar salários integrais do funcionalismo público e os déficits fiscais e previdenciário. Uma situação que se inverteu em pouco menos de um ano com medidas de eficiência administrativa. Além disso, uma de suas metas para manter a competitividade do estado é adotar processos digitais. “Queremos elevar o patamar de competitividade, ser mais digital na governança e na gestão com objetivos estratégicos bem definidos para a retomada do crescimento do Rio Grande do Sul”, assinala.

Transformação digital na reforma administrativa

A transformação digital nos serviços públicos também é defendida por Patrícia Ellen, Secretária de Desenvolvimento Econômico do Governo do Estado de São Paulo. Ela foi uma das debatedoras do Seminário de Reforma Administrativa realizado em São Paulo (4/11). “O pilar da transformação digital é o terceiro pilar da reforma do funcionalismo público (os outros são a simplificação de carreiras e novas formas de contratação). Sem ela, a gente vai correr o risco de que, daqui a dois ou três anos, ter que revisitar tudo que estamos desenhando agora”, disse. Leia mais sobre o encontro aqui.

Leite disse que a parceria com o setor privado é essencial para aperfeiçoar a gestão pública. “Temos que criar um ecossistema ideal para os investimentos, diminuindo a burocracia e reduzindo as despesas. Graças ao bom ambiente de negócios no estado, papel bem exercido pelo setor empresarial, hoje somos bem falados em nível nacional”, concluiu o governador.

Amcham apoia a Reforma Administrativa

Walter Lidio Nunes, Presidente do Conselho Consultivo da Amcham em Porto Alegre, destacou a oportunidade da troca de ideias em uma entidade como a nossa, que conta com mais de 5 mil associados e tem como objetivo impulsionar o empreendedorismo e a competitividade empresarial por todo o país. “O governador tem enormes desafios, e está buscando fazer as ações necessárias, como as reformas, por exemplo”, citou.

Marcelo Rodrigues, Superintendente Regional da Amcham, reforçou que Reforma Administrativa é uma das mais importantes a serem feitas. “Defendemos as reformas para o bem da sociedade e crescimento do país e do nosso estado”, pontuou, e complementou com “uma maior qualidade e eficiência dos serviços públicos, a racionalização da máquina administrativa e a valorização do servidor público, que merecem uma política moderna de RH, são fundamentais para destravar a economia”.

No Seminário de São Paulo, Luiz Pretti, nosso Presidente do Conselho de Administração e CEO da Cargill, destacou a importância de uma Reforma baseada na eficiência dos serviços públicos, simplificação da máquina estatal e valorização do servidor. “Manifestamos o apoio à realização de uma Reforma Administrativa com vistas a construir um Estado mais moderno, eficiente e capaz de atender com maior qualidade e menores custos à sociedade brasileira”, disse. O nosso posicionamento completo por ser conferido aqui.