Corte de gastos do governo melhora clima para investimentos, diz Henrique Meirelles

publicado 24/10/2016 09h01, última modificação 24/10/2016 09h01
São Paulo – Ministro da Fazenda afirma que corte deve reduzir nível de despesas nos próximos anos
henrique-meirelles-2987.html

Para o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, a limitação dos gastos públicos gera “efeito positivo” para os investimentos. "A aprovação da PEC já tem efeito positivo na percepção de agentes econômicos, e a economia começa a reagir”, disse o ministro, no seminário Soluções Para a Expansão da Infraestrutura no Brasil, organizado pela Amcham e Associação Brasileira da Infraestrutura e Indústrias de Base (Abdib) na sexta-feira (21/10).

Meirelles se refere à PEC 241, que limita o teto de gastos públicos por 20 anos e será corrigido anualmente pela inflação. A proposta foi aprovada em primeiro turno na Câmara dos Deputados e deve passar por nova votação antes de ser encaminhada ao Senado Federal.

A reforma vai reduzir as despesas em até quatro pontos percentuais, estima o ministro. “O crescimento das despesas públicas está em 19,5% do PIB. Com a PEC, tenderá a cair para 15,5% nos próximos dez anos.”

Além da contenção de gastos, o ministro citou a reforma da Previdência e a redução do tamanho do Estado, por meio de privatizações, como essenciais para a recuperação econômica. “Esta agenda de trabalho abre caminho para a economia sair da crise e entre em trajetória de crescimento sustentável, com estabilidade de preços.”

Meirelles também disse que diminuir a participação do estado na economia é uma forma de ampliar receitas. “Se for o caso, fazer privatizações. Mas também há possibilidade de aumentar a presença de capital privado em projetos público-privados e cortar outras despesas para reduzir o papel do estado.”

O ministro se disse confiante na aprovação da PEC, em função da importância dada ao tema no governo e no Congresso. “As perspectivas para a segunda votação são extraordinárias, principalmente com a votação significativa no primeiro turno (366 votos a favor).”