2014 deve ter economia crescendo em ritmo moderado e continuidade de investimentos

publicado 08/01/2014 08h29, última modificação 08/01/2014 08h29
São Paulo – Especialistas de mercado traçaram suas perspectivas durante reuniões na Amcham
business-round-up-5321.html

O que esperar da economia brasileira e quais as tendências de negócios para 2014? De modo geral, a pergunta feita a economistas, executivos e especialistas de mercado durante os fóruns e eventos de conteúdo organizados pela Amcham-São Paulo no final do ano passado indicou um cenário de crescimento estável, segurado pela retração do consumo e alta da inflação e dos juros.

Durante o 5º Business Round Up, realizado em outubro, economistas de grandes instituições financeiras, além de representantes de setores importantes da cadeia produtiva, traçaram os cenários que se configuravam como os mais prováveis.

Leia mais sobre o 5º Business Round Up: AmchamNews de outubro traz as perspectivas para 2014

Business Round Up da Amcham detalha o cenário econômico para 2014

Desaceleração da renda e consumo fará economia crescer menos em 2014

Presidente do IDV e economistas-chefe do Citibank e Santander apontam as perspectivas para 2014

Algumas das projeções divulgadas foram:

Maurício Molan, economista-chefe do Santander: “O banco trabalha com crescimento do PIB na casa do 1,7% no próximo ano”

Marcelo Kfoury, economista-chefe do CitiBank: “2014 deve fechar o ano com crescimento de 0,6% por trimestre”

Sérgio Watanabe, presidente do Sindicato da Indústria da Construção Civil: “Trabalhamos com um crescimento de 3% da construção civil em 2014”

Flávio Rocha, presidente da Riachuelo e do Instituto para o Desenvolvimento do Varejo: "O varejo brasileiro deve viver um forte aumento da formalização nos próximos anos, puxado especialmente pelo aumento do número de cartão de crédito e do consumo em geral"

Herculano Anghinetti, diretor-presidente da Associação Brasileira da Indústria de Refrigerantes e Bebidas: “O setor de bebidas registra queda de 8,2% no país”

Paulo Henrique Fraccaro, presidente da Associação Brasileira da Indústria de Artigos e Equipamentos Médicos, Odontológicos, Hospitales e de Laboratórios: “As passeatas de junho alçaram o setor de saúde ao posto de prioridade quando se fala em investimentos. Deveremos sentir o impacto”

No evento, um público formado por cerca de 200 empresários e altos executivos responderam a uma pesquisa online sobre as expectativas para a economia. Apesar da piora de indicadores macroeconômicos (inflação e juros), a expectativa dos presentes foi de continuidade no crescimento do PIB (Produto Interno Bruto) e investimentos. Os resultados podem ser conferidos no link ao lado: Para 48,6% dos executivos, inflação deve subir em 2014.

Sustentabilidade em alta

O crescimento com sustentabilidade está incorporado na estratégia de negócios das empresas, conforme evidenciado pelos vitoriosos do Prêmio ECO 2013. O reaproveitamento de resíduos na cadeia produtiva pela HP e PepsiCo, o incentivo à educação superior (Santander) e a produção com foco em respeito sócio-ambiental (Korin) foram algumas das ações apontadas (Vencedores do Prêmio ECO relatam planos de sustentabilidade para 2014).

Outros destaques

A continuidade de investimentos produtivos se confirmou em algumas regiões do Brasil. Gerald Degen, vice-presidente da montadora alemã BMW, falou sobre a construção de uma unidade fabril para setembro deste ano, durante CEO Fórum da Amcham-Joinville (Fábrica da BMW em Santa Catarina será inaugurada em setembro de 2014) realizado em outubro de 2013.

Na regional de Ribeirão Preto, mais de 160 gestores que participaram do Business Round Up local, no final de outubro, debateram tendências de negócios. Para Nicola Tingas, economista-chefe da Acrefi (Associação Nacional das Instituições de Crédito, Financiamento e Investimento), o primeiro trimestre de 2014 será de cautela.

“Até dezembro de 2013 haverá uma continuidade do ajuste defensivo e aversão seletiva ao risco, porém, já no 1º trimestre de 2014, espera-se uma avaliação da conjuntura de perspectivas para as eleições e Copa do Mundo, com definição de estratégias de ação”, comentou, na ocasião.