Guerra por talentos impacta 100% das empresas em operação em Pernambuco, aponta estudo Amcham

publicado 25/02/2014 12h20, última modificação 25/02/2014 12h20
Recife - Pesquisa aplicada com 94 profissionais de RH, em janeiro, revela que a escassez de profissionais aumentou o investimento em capacitação e formação de mão de obra
ciclo-de-desenvolvimento-regional-4059.html

100% das empresas em Pernambuco enfrentam uma disputa por profissionais. A conclusão vem da pesquisa da Amcham-Recife realizada, em janeiro deste ano, com executivos de RH com atuação no Estado (confira aqui a apresentação completa). A sondagem indica que o cenário de escassez de talentos vem obrigando as empresas a investir em capacitação, onde 57% vem focando também na formação de novos talentos e outros 22% em pacotes salariais mais agressivos.

A pesquisa, aplicada em 23 de janeiro, analisou as respostas de 94 profissionais de gestão de pessoas, em sua maioria coordenadores, gerentes e diretores das empresas locais, questionados sobre mão de obra e guerra por talentos em Pernambuco.

Outro resultado do estudo é que a escassez de profissionais traz impactos negativos tanto para as companhias como para o Estado. Foram listados: a perda de produtividade nos negócios em virtude do aumento da rotatividade de funcionários (38%); diminuição da competitividade estadual na atração de novos investimentos (36%); e abalo na competitividade das empresas obrigadas a aumentar salários sem ganhar necessariamente em produtividade (19%). 

Segundo os entrevistados, o perfil de mão de obra de maior necessidade localmente é o operacional (51%) e técnico (32%). Alguns setores sofrem em maior nível com a disputa por colaboradores. São eles: indústria (57,6%); serviços (54,3%); tecnologia (48,9%); finanças (28,2%); saúde (28,2%) e construbusiness (26%).

Para minimizar a atual dificuldade com a contratação de mão de obra, 60% dos respondentes informaram manter parcerias com universidades e escolas técnicas. Outros 15% afirmaram que pretendem investir na maior aproximação com o setor acadêmico ainda em 2014.

Outro foco de reação das empresas encontra-se na realização de pesquisas salariais para se tornar mais competitiva no mercado, praticada adotada por 53% das empresas entrevistadas. Em 59%, o levantamento dos salários praticados por concorrentes resultou na revisão dos pacotes de remuneração praticados pelas empresas. 

A seguir, a pesquisa divulgada e apresentada por Alessandra Andrade, gerente regional da Amcham-Recife, no evento “Ciclo de Desenvolvimento Regional: Mão de Obra”, realizado na terça-feira (25/02), na sede da Amcham na capital pernambucana.