Infraestrutura deve liderar a abertura de capital no Brasil

por daniela publicado 28/02/2011 10h41, última modificação 28/02/2011 10h41
Recife- Momento é ideal para País atrair investimentos e corrigir defasagem histórica do setor, afirma VP do Grupo João Carlos Paes Mendonça.

A demanda por rápido desenvolvimento da infraestrutura nacional deve ser grande motivadora da abertura de capital de empresas brasileiras nos próximos anos. Esta é a opinião de Jaime de Queiroz Filho, vice-presidente executivo do Grupo João Carlos Paes Mendonça (JCPM), que atua em varejo, shopping centers e também nos setores imobiliário e de comunicações.

“A expectativa é que empresas do setor de infraestrutura sejam destaque na abertura de capital nos próximos anos. Com o vazio de infraestrutura no País, que precisa ser superado em um período muito curto, essa é uma saída para a atração de investimentos”, analisou Queiroz, que participou do comitê estratégico de Economia e Finanças da Amcham-Recife na sexta-feira (25/02).

O executivo, que passou pela experiência de abertura ao mercado do Grupo Bompreço em 1996, depois, em 2004, adquirido pelo Walmart, destacou que as empresas brasileiras que lançam ações têm de se preocupar com efeitos a longo prazo. “O primeiro momento crítico é a abertura em si, que exige estruturação sólida. O desafio seguinte é a manutenção da atratividade para o investidor ao longo do tempo”, comentou.

Queiroz acredita que haverá um movimento de entrada de pequenas e médias empresas no mercado de capitais brasileiro. “A expectativa é que, a longo prazo, aumente a presença de pequenas e médias companhias brasileiras listadas na bolsa. Nos países com mercados mais maduros, a participação desse perfil de empresa é significativa”, ressaltou.