Júri do Concurso Vídeo Legal divulga os trabalhos que participarão da fase final

publicado 17/07/2013 10h43, última modificação 17/07/2013 10h43
São Paulo – Cerimônia de encerramento da terceira edição será realizada em 1/8 na Amcham
concurso-video-legal-9643.html

O Concurso Vídeo Legal, iniciativa da Amcham e do consulado dos Estados Unidos para conscientizar jovens sobre os prejuízos da pirataria, já tem os vídeos que participarão da fase final do evento. Os vencedores da terceira edição do concurso serão conhecidos em 1/8, durante a cerimônia de encerramento que será realizada na Amcham.

Na terça-feira (16), a comissão julgadora do evento anunciou os dez melhores vídeos produzidos por estudantes de dez a catorze anos da rede pública de ensino. Ao todo, 43 vídeos foram enviados pelas 33 escolas participantes, e os critérios de seleção se basearam no conteúdo apresentado e criatividade em relação ao tema do combate à pirataria.

Os trabalhos selecionados foram:

CATEGORIA 1 (dez a doze anos)

- “Biopirataria: um caso de policia” – EMEF (Escola Municipal de Ensino Fundamental) Professora Sylvia Martin Pires

- “EMEF Prestes Maia contra a pirataria” – EMEF Prestes Maia

- “Entrando numa furada” – EMEF Padre Manoel de Paiva

- “Manifestação contra a pirataria” – EMEF Maria Aparecida Rodrigues Cintra

- “O mundo pirata” – EMEF Professor Máximo de Moura Santos

CATEGORIA 2 (doze a catorze anos)

“A Casa Caiu” – EMEF Lilian Maso

“A história da boneca pirata” – EMEF Ruy Barbosa

“O dia em que a Terra foi pirateada” – EMEF Marechal Juarez Távora

“Pirataria - eu deixei de comprar” – EMEF Coronel Romão Gomes

“Pirataria não é legal” – EMEF Professor Máximo de Moura Santos

Sobre o PEL

O Concurso Vídeo Legal faz parte das ações do Projeto Escola Legal (PEL) da Amcham e seus parceiros. O objetivo do PEL é alertar crianças e jovens do ensino fundamental (em sua maioria entre 07 e 14 anos) das redes pública e privada a respeito do problema da pirataria no Brasil e no mundo.

Dentro das atividades do Projeto Escola Legal, valores morais, ética e destaque para a importância de uma postura cidadã são base para a discussão sobre as conseqüências da opção por consumo de produtos piratas e utilização do comércio ilegal.