Mudanças internas no departamento de compras podem trazer ganhos de até 30% às companhias

por daniela publicado 19/04/2011 13h30, última modificação 19/04/2011 13h30
São Paulo-Conceito da transversalidade, de maior interação com demais áreas da empresa, deve ser explorado, defende Angela Pieruccini, diretora da Parceiros Consultoria.
100_4475.jpg

Mudanças internas na forma de atuação do departamento de compras chegam a gerar ampliação de ganhos para as companhias como um todo em até 30%, avalia Angela Pieruccini, diretora da Parceiros Consultoria, especializada em desenvolvimento organizacional.

A especialista defende a aplicação do conceito de transversalidade, que consiste na maior interação com as demais áreas da empresa na busca de soluções inovadoras.

“A mudança cultural é essencial para que o departamento de compras corporativas deixe de ser operacional e se torne estratégico. É preciso liderar ações conjuntas com outras áreas para inovar e obter ganhos para a empresa como um todo”, destacou Angela, que participou nesta terça-feira (19/04) do comitê de Compras Corporativas da Amcham-São Paulo.

Atualmente, os executivos de compras estão concentrados na negociação com os fornecedores, o que, na visão da consultora, deve ser apenas um aspecto a ser considerado na ampliação dos resultados positivos.  “Seria muito interessante que os profissionais de compras pudessem conhecer de perto todo o desenvolvimento de um produto na área de engenharia para poder depois apresentar soluções, uma peça diferente, por exemplo”, afirmou.

Com a atuação transversal, os executivos de compras conseguem descobrir e negociar novos componentes e materiais, que podem ser utilizados em substituição aos tradicionais, assim como aplicar novas ferramentas tecnológicas de controles.

Brasil e mundo

No Brasil, a transversalidade ainda é pouco explorada, mas o setor que mais se destaca nesse quesito é o automotivo, intensivo em compras. A Europa é a região mais avançada globalmente em termos de estratégias de compras corporativas, onde existe, inclusive, uma série de cursos acadêmicos espefícicos.

“Em nosso País, não há cursos destinados exclusivamente à área de compras, até porque não há demanda.” Para mudar esse cenário, Angela acredita que os executivos desse segmento, de uma maneira geral, devem adotar nova postura e procurar mais conhecimento.