Novo modelo de geração de energia em empreendimentos urbanos é visto com otimismo por prestadores de serviços do setor

por giovanna publicado 26/01/2012 15h37, última modificação 26/01/2012 15h37
Recife – Instalação de microaerogeradores eólicos e painéis de captação solar em condomínios e parques abre espaço para venda de equipamentos e consultoria.
foto_pedro_cavalcanti.jpg

Gerar energia eólica ou captar a energia solar nos centros urbanos, em empreendimentos como condomínios e parques, é uma perspectiva que tem deixado animadas empresas prestadoras de serviços do setor de energia no País. Pedro Cavalcanti, diretor de Engenharia da Multiempreendimentos, adianta que o sistema está em processo de estudo junto à Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) e deve trazer novidades importantes para o mercado.

"Com essa possibilidade, uma nova fronteira está se estabelecendo na geração de energia brasileira. Isso irá fomentar negócios tanto na área de equipamentos para geração de energia quanto na de consultorias para instalação das estruturas", comentou Cavalcanti, que participou do comitê de Energia da Amcham-Recife na terça-feira (23/01).

O executivo explica que, com a instalação de geradores de energia eólica em empreendimentos urbanos, eles poderão aproveitar a energia produzida e ainda repassar a parte não consumida para o sistema elétrico. “Este excedente será transformado em créditos; assim, quando não houver vento, bastará abatê-los do que foi fornecido ao sistema anteriormente”, apontou.

Cavalcanti aponta que o novo sistema estará disponível para empreendimentos com capacidade instalada acima de 1.000 kW (kilowatts).

Para locais onde não se aproveite o vento, o caminho alternativo será a instalação de painéis fotovoltaicos para captação solar.

“Acredito que em março ou maio a Aneel já deve publicar o marco regulatório desse novo modelo de compra e venda de energia e estamos otimistas para as possibilidades de negócios que virão”, afirmou o diretor da Multiempreendimentos.

Mercado eólico aquecido

Cavalcanti comentou que o mercado brasileiro está bastante aquecido para companhias que atuam na geração de energia eólica. “Fatores como o grande potencial que temos para explorar fontes de energia renováveis e as recentes declarações do governo que sinalizam uma prioridade para essas fontes são excelentes para o segmento”, comemorou.

“Ainda temos como outro fator positivo. A crise na Europa tem forçado fabricantes e fornecedores de equipamentos para geração de energia eólica a procurarem mercados emergentes como o Brasil para investir”, comentou Cavalcanti.


Leia mais: