Parceria Público-Privada será essencial para investimentos em infraestrutura previstos no RS, diz secretário

por giovanna publicado 23/03/2011 16h24, última modificação 23/03/2011 16h24
Porto Alegre – Destaques, conforme Beto Albuquerque, estão nas áreas de energia, aviação e rodovias.
100_77_87.jpg

Somar esforços com o meio empresarial é fundamental para que o governo desenvolva projetos de infraestrutura. No Rio Grande do Sul, uma das metas da Secretaria de Infraestrutura e Logística (Seinfra), prevendo esse tipo de parceria, é ampliar a capacidade de geração de energia através do abastecimento eólico e do uso do abundante carvão em termoelétricas. Há intenção também de estimular maiores investimentos em Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCHs), revela Beto Albuquerque, secretário de Infraestrutura e Logística do RS.

“Onde o governo atual tiver parceiros e projetos, é necessário ‘jogar’ junto. É inesgotável a necessidade de geração de energia no País. Toda a área hidrelétrica, em PCHs ou grandes usinas, precisa de apoio. Temos também um vasto potencial para energia eólica no estado. Nas termoelétricas, são mais de 3 mil megawatts de energia possíveis de serem gerados com carvão”, disse Albuquerque, que participou do comitê estratégico de Energia da Amcham-Porto Alegre na terça-feira (22/03).

Segundo o secretário, muitos empreendedores estrangeiros têm procurado empresários privados no RS para se associarem em negócios do segmento energético. Ele adiantou que a Companhia Riograndense de Comunicação (CRM) vem conversando com empreendedores interessados em instalar usinas de geração térmica a carvão mineral e já se encontra na fase de discussão das minutas dos contratos de fornecimento.

Conforme Albuquerque, a Seinfra está disposta a dialogar e avaliar as parcerias público-privadas (PPPs) nos mais variados segmentos de infraestrutura, notadamente envolvendo aviação e rodovias. “Existem muitas oportunidades no Rio Grande do Sul. Acho importante o empresariado ficar atento ao que o estado gerará nessa área de Infraestrutura, ainda mais com a visita do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, ao Brasil, que promete estreitar a relação econômica entre os dois países”, sinalizou.

Investimentos

O secretário detalhou na reunião da Amcham os principais investimentos que o governo estadual planeja para a área de infraestrutura. Entre as prioridades, estão R$ 900 milhões para obras em municípios que ainda não são acessados por vias asfaltadas. Haverá 70 obras financiadas pelo Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e 35, pelo Tesouro.

Ainda estão previstas a duplicação das rodovias ERS 118, ERS 324, ERS 470, ERS 453 e ERS 342 e a dragagem e modernização de zonas portuárias, com destaque para o Porto de Rio Grande, como previsto no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) do governo federal.

Para Albuquerque, o segmento da aviação é o que mais abrirá oportunidades para PPPs, pois ainda não há recursos públicos suficientes para construção e melhorias de aeroportos no interior do estado, em cidades que têm ligação com Porto Alegre – como Vacaria, Caxias do Sul, Erechim, Passo Fundo, Ijuí, Santa Rosa, Santiago, Carazinho e Santana do Livramento.

Na geração de energia, o total de investimentos (públicos e privados) a serem efetivados no RS de 2011 até 2013 está calculado em R$ 533 milhões. Em transmissão de energia, o valor chegará a R$ 412 milhões. Há uma meta também de que 26% do território estadual sejam atendidos pela Companhia Estadual de Energia Elétrica do Rio Grande do Sul (CEEE).