Black Friday de novembro será a mais democrática e multicanal da história. Veja três dicas para atrair clientes

publicado 01/11/2019 09h49, última modificação 01/11/2019 15h09
São Paulo – Vinícius Rodrigues, da Fast Shop, destaca que o tíquete médio da Black Friday é maior que o do Natal
ilustrar-andre.jpg

Marcos Bedendo, da ESPM (à esq.), e Vinícius Rodrigues, da Fast Shop (dir.)

No dia 29 de novembro vai acontecer a Black Friday mais “democrática” e multicanal da história. Quem explica é Vinícius Rodrigues, gerente de marketing da Fast Shop. Nessa data, os clientes vão querer comprar muito, de tudo e cada vez mais em lojas físicas. “A mudança no hábito do consumidor e, depois no varejo, fez com que a Black Friday transitasse cada vez mais para a loja”, observa, no nosso webinar realizado em São Paulo no dia 26/9, para uma audiência de 170 ouvintes.

Nessa época os clientes se interessam pelos mais variados produtos e serviços, continua Rodrigues. “A Black Friday de 2019 vai ser a mais democrática de todos os tempos. Estamos falando de varejo grande, pequeno, categorias novas e consolidadas. Você tem que pensar que a data é para todo mundo.”

Em oito anos de existência no Brasil, a Black Friday já bateu o Natal como principal dia de compras de fim de ano. Pelo menos para os eletrodomésticos, aponta o executivo. As promoções que começaram na internet agora estão se consolidando nas lojas físicas. Rodrigues cita dados do Google que revelam que há três anos somente 8% das pessoas compravam nos canais online (lojas virtuais) e off-line (lojas físicas).

No ano passado, foram 35% dos consumidores que compraram nos dois canais. “A probabilidade de crescimento para 2019 é gigante. As pessoas realmente vão para a loja. Se você não está dentro do online, é bom ter, obviamente, uma parte de mídia de comunicação por lá”, observa.

Isso porque o hábito dos consumidores a que Rodrigues se refere é que as pesquisas são feitas na internet e e-commerce das marcas. Quando acham uma oferta interessante, partem para o off-line, adianta o executivo. “As pessoas pesquisam muito no online para depois ir à loja. E se você (empresa) não tiver essa parte, esteja preparado para receber esse consumidor. Porque ele com certeza vai entrar na sua loja buscando oportunidades.”

A mágica do off-line

Agora que as marcas estão consolidadas no e-commerce, Rodrigues identifica um movimento de complementariedade com as lojas físicas. É nesse canal onde a marca tem a oportunidade de se relacionar com o cliente, argumenta.

“A importância da loja, efetivamente, começa a ganhar uma proporção bastante grande. Porque é no off que se tem o momento mágico do consumidor. Ali que você traz a sua diferenciação (de marca), ali que você mostra uma experiência de valor diferente. Traz uma lembrança de marca bastante forte para o consumidor. Se você não está no on, mas está no off, faça um bom trabalho no off.”

Três dicas de vendas

Rodrigues destacou alguns pontos que as empresas devem se atentar para vender mais e reforçar a marca junto ao cliente. Veja abaixo:

1. Planeje com antecedência

Para atrair o consumidor é preciso fazer a preparação logística e comercial bem antes. Na Fast Shop, ela começa assim que a Black Friday acaba, disse Rodrigues. Mais perto da data, o passo é executar a estratégia de divulgação.

“É a inteligência de mídia que você precisa ter. Basicamente, é estar com a sua agência ou sentar com quem for o seu parceiro de desenho de mídia e segmentar isso dentro dos parceiros. Tem aí Google, Facebook, enfim os grandes parceiros de mídia para segmentar este consumidor e fazer o impacto correto para ele”, disse Rodrigues.

2. Atraia a atenção do cliente

Reforçando o caráter “democrático” da Black Friday, Rodrigues lembra que nessa época existe demanda até para produtos que não são comprados por impulso. No webinar, ele conta o caso de uma executiva conhecida que comprou um jogo de pneus em uma das promoções. Ela precisava dos pneus, mas não se lembrava, conta. O que reativou a lembrança da necessidade foi o impacto da marca foi no momento certo. “O consumidor está tão aberto que precisa ser lembrado que a sua marca existe”, atesta.

Ou seja, defina a estratégia para atrair a atenção do cliente. “O bolso do consumidor é um só. Você tem que estar preparado para buscar a atenção dele para que ele faça a compra correta daquele produto que você precisa. Porque você vai entrar em uma disputa muito grande de atenção desse consumidor.”

A Black Friday faz parte de uma temporada de vendas de fim de ano, que inclui o Natal e o início de janeiro. Por isso, a marca tem que estar preparada para o período todo. Todo varejo quer aproveitar esse momento de compra do consumidor, recomenda o executivo. “Ele está muito suscetível e, mais uma vez, a disputa pela atenção do consumidor é o principal desafio que temos hoje. É sobre como você vai fazer para comunicar da maneira certa e no momento certo.”

3. Cumpra o que prometeu

A pior coisa que pode acontecer para uma marca é decepcionar o cliente. Por isso, esteja preparado para dar o melhor atendimento na loja e no site. “Com certeza ele vai lá. E cumpra o prometido na Black Friday. Esse é um ponto bastante importante, porque a expectativa do consumidor está lá em cima.”

registrado em: ,