Cada investimento deve ter fluxo positivo, sempre atuante e com disciplina, alerta especialista

publicado 25/05/2018 16h32, última modificação 25/05/2018 16h54
Fortaleza - Louise Porto participou do Fórum de Qualificação Profissional sobre Gestão de Finanças Pessoais e Introdução ao Investimento
Fórum de Qualificação Profissional

Entender o momento da vida e montar orçamento discriminando receita, despesas fixas e variadas são ações básicas para fazer antes de investir. Essa é a dica de Louise Porto, especialista em Investimentos pela Anbima. Ela participou do Fórum de Qualificação Profissional - Gestão de Finanças Pessoais e Introdução ao Investimento, realizado na Amcham - Fortaleza no dia 18/05. Confira as orientações da profissional para aumentar sua renda:

 

Quais são as principais dicas para ter uma boa gestão financeira?

Na gestão financeira, a primeira coisa que precisamos fazer é montar um orçamento: compreender o que tenho de receita, despesas fixas, variadas, montar tudo isso, visualizar como que está, se o saldo está positivo ou negativo. Depois, construir um plano estratégico para melhorar o orçamento.

 

Quando e como uma pessoa deve decidir investir? Quais são os primeiros passos?

Para investir, é necessário ter um orçamento já organizado onde seus investimentos podem ser realizados a longo prazo. O ideal é que você invista mensalmente um percentual da sua receita no longo prazo, além de fazer uma reserva para emergências, para médio prazo, e já pensar em aposentadoria, por exemplo. Cada investimento tem que ter uma caixinha apropriada para ter um fluxo positivo, sempre atuante e com muita disciplina.

 

Como definir qual o tipo de investimento mais adequado?

Para o melhor investimento, primeiro é preciso conhecer seu perfil de investidor: se é moderado, conversador ou agressivo. É importante também definir qual momento de vida você está. Se você está em um momento de vida de construção de patrimônio, é ideal que tenha uma parcela dos seus investimentos no conservador, porque ainda pode precisar cobrir algumas despesas. Quando já se tem patrimônio, pode ir para [investimentos de] longo prazo, com mais risco e retorno.