Comércio eletrônico brasileiro tem muito espaço para crescer, diz consultoria TNS Brasil

publicado 20/03/2015 13h42, última modificação 20/03/2015 13h42
São Paulo – Brasileiros estão entre os que mais navegam na internet, segundo o CEO da TNS, James Conrad
james-conrad-896.html

O executivo americano James Conrad, diretor-gerente do instituto de pesquisas TNS Brasil, disse que a paixão dos brasileiros pela internet e redes sociais vai abrir muitas oportunidades para as empresas que atuam no e-commerce nacional.

“Como os internautas brasileiros passam muito tempo online, vejo grande potencial de crescimento no comércio eletrônico”, disse Conrad, no comitê estratégico de Diretores Comerciais da Amcham – São Paulo, na quarta-feira (18/3).

Os dados que Conrad apresentou aos executivos presentes constam do relatório da TNS, Connected Life 2014, que traça panoramas sobre o e-commerce brasileiro. De acordo com o executivo, o consumo de conteúdo de TV (filmes e séries) e vídeos online no Brasil está acima da média mundial. Uma boa parte dos acessos são via aparelhos móveis.

De acordo com a consultoria E-bit, a receita de comércio eletrônico chegou a R$ 35,8 bilhões em 2014. As categorias de produtos mais vendidas foram de Moda & Acessórios (17%), Cosméticos e Perfumaria (15%) e Eletrodomésticos (12%).

Barreira de crescimento

A principal barreira ao desenvolvimento do e-commerce é a desconfiança dos usuários em relação à segurança da operação. “É preciso que as empresas invistam mais em segurança digital e experiência de uso”, comenta o executivo.

O sucesso de uma compra é fundamental para que ela seja repetida, pois na internet tudo é compartilhado. Se a primeira operação online do usuário for fácil e bem-sucedida, será replicada no grupo de amigos virtuais, explica Conrad.

Outro fator essencial ao desenvolvimento do e-commerce é criar campanhas de engajamento nas redes sociais. “Os brasileiros são ávidos por tendências digitais. Com incentivos comerciais adequados (como promoções), mais inovações seriam acompanhadas.”

registrado em: