Compartilhe o sonho do projeto, inclusive as tempestades, ensina a velejadora Heloísa Schurmann

publicado 11/12/2018 10h21, última modificação 17/05/2019 13h42
São Paulo – Navegadora deu três voltas ao mundo de barco com a família e dá dicas para projetos em terra e mar
Be Inspired - Heloísa Schurmann.jpg

Dar uma volta ao mundo de barco tem a mesma lógica de um projeto empresarial. Exige foco, trabalho de equipe e disciplina, compara a velejadora Heloísa Schurmann. Com a diferença de que, em alto mar, um plano malfeito pode literalmente afundar. Mas seja qual for o projeto, ele não funciona sem uma boa tripulação. Para conquistar as pessoas envolvidas, compartilhe não só o sonho, mas também o que pode dar errado, ensina Heloísa.

“Fale o que vai acontecer de bom e de não tão bom. Vamos enfrentar tempestades, piratas, mas (que, apesar de tudo) é isso o que você quer. E as pessoas vieram na nossa expedição porque acreditaram naquilo que a gente fala. Porque viram que a gente tem entusiasmo, brilho nos olhos”, conta a navegadora, no evento Be Inspired, da Amcham-São Paulo na quarta-feira (5/12).

Heloísa é a matriarca da Família Schurmann – formada por ela, o marido Vilfredo e os filhos Pierre, David, Wilhelm e Katherine (já falecida). Em 35 anos, os Schurmann deram três voltas ao mundo de veleiro, sendo os primeiros brasileiros a realizar a façanha. Outra viagem intercontinental está prevista para breve, adianta Heloísa.

Em uma viagem marítima, a convivência é intensa. Como, então, trazer as pessoas para bordo durante anos vivendo em um espaço pequeno? Compartilhando sonhos, responde Heloísa. “Então (para ter) uma equipe motivada, seja num barco ou seja no escritório, é muito importante que eles saibam quais são os seus objetivos, aonde você quer chegar. Isso é o que motiva as pessoas”, detalha.

Outro fator importante é que cada membro cumpra rigorosamente suas funções, acrescenta a velejadora. “Usamos aquela mesma disciplina de que você não pode fazer uma manobra lá na frente com uma tempestade. Porque você tem que ter um cinto de segurança.”

Além da disciplina, motivação também é importante. “As pessoas duvidavam quando dizíamos que chegaríamos em dia e hora tal. E nós chegávamos. Administrávamos o tempo e vínhamos com aquela vontade de chegar. Digo que a saudade é o maior combustível a bordo”, conta.

Para conquistar uma vida de sonho, a velejadora aprendeu a usar o tempo a seu favor. “Minha vida sempre foi uma vida de sonhos. Meu pensamento é: tenha tempo para viver o sonho (idealizar), mas tire o tempo para realiza-lo. Não importa qual seja, é muito importante que vocês tirem esse tempo.”