Conheça os caminhos para se tornar um líder de alto impacto

publicado 21/02/2020 16h25, última modificação 21/02/2020 16h25
Curitiba – Seminário de Liderança trouxe colaboradoras de grandes empresas para falarem sobre o novo modelo de gerência
Elinee Ferreira IBM palestra durante o nosso Seminário de liderança.jpg

Elinee Ferreira (IBM) palestra durante o nosso Seminário de Liderança em Curitiba

“O que o mundo perde se minha empresa fechar hoje?”. Essa pergunta deve guiar constantemente os líderes que se preocupam não somente com a sua equipe, mas com o impacto que o seu setor e empresa vão gerar na sociedade.  Com esse questionamento, Renata Chemin, CEO e co-Founder da Polen, fintech que ajuda as empresas a tirarem projetos de impacto social do papel, encerrou o nosso Seminário de Liderança, em Curitiba, no dia 12/02.

O evento reuniu mais de 60 gestores de diversas áreas, como Recursos Humanos. Palestraram também a Talent Partner na IBM Service, considerada uma das melhores empresas para se trabalhar, Elinee Ferreira, e a gerente de responsabilidade Socioambiental e Fundiária da Arauco, empresa referência em sustentabilidade e relações com a comunidade, Maria Harumi Yoshioka.

De acordo com elas, há características essenciais para se tornar um líder de impacto. É preciso ser o exponencial da cultura da empresa, ou seja, traduzir isso através do comportamento. “É o que chamamos de ‘walk the talk’, que é conseguir fazer com que o colaborador sinta a cultura da empresa acontecendo no dia a dia’’, afirma Elinee.

Empatia é outra importante característica. ‘‘Se colocar no lugar do outro é essencial, principalmente no mundo cada vez mais polarizado que vivemos. E mais, é preciso se conectar com o sentimento das pessoas e da comunidade ao seu redor, para, de fato, conseguir causar um impacto na sociedade”, destaca Harumi.

VALOR E LUCRO

Além de empatia e exemplo de comportamento, o líder de valor deve entender que o impacto social dá lucro e precisa fazer parte da estratégia da empresa. “É necessário ter coragem para buscar diferentes caminhos e fazer algo que ninguém nunca fez na empresa, mesmo sabendo que pode não dar certo, mas se der, irá de fato contribuir com a sociedade para a geração de valor para a própria empresa”, explica Renata. Nos últimos anos, a expectativa do consumidor de que as organizações estejam à frente das transformações sociais aumentou no país. “Isso gera uma confiança entre o cliente e a empresa e, consequentemente, uma maior disposição de pagar por um produto premium ou um serviço”, detalha a CEO da Polen.

NOVA GERAÇÃO DE CONSUMIDORES E LÍDERES

Renata lembra ainda que os consumidores da geração atual buscam os históricos das empresas onde vão comprar para saber de que forma essas companhias atuam. ‘‘Trinta e dois por cento da população brasileira nasceu entre 1997 e 2020. Essas pessoas não conhecem um mundo sem Google, ou seja, eles vão pesquisar sua empresa antes de comprar qualquer coisa. É preciso ter responsabilidade social para fazer a diferença no negócio”, conclui.

A nova geração de líderes também está cada vez mais conectada com esse universo transformador. “Essa juventude chega cheia de gás e energia e o papel da empresa, da liderança e também do setor de Recursos Humanos é olhar e formar essa juventude que tem várias habilidades técnicas e de agilidade. É preciso, sobretudo, apoiar no desenvolvimento da vivência e maturidade’’, finaliza Harumi.

 

O QUE É O SEMINÁRIO DE LIDERANÇA?

Faz parte da agenda de grandes encontros com conteúdo corporativo, focados na evolução e transformação das lideranças. Por ano, são quase dois mil eventos realizados com 90 mil executivos participantes aqui na Amcham.

PARA QUEM É?

Lideranças empresariais, autoridades, especialistas e imprensa. Todos interessados em acessar uma curadoria de tendências, perspectivas e analises mercadológicas.

COMO FUNCIONA?

São convidados especialistas da área e líderes empresariais de grandes empresas para palestrarem e debaterem em painéis de discussão.