Cultura organizacional tem que sair das paredes dos escritórios e atingir toda a empresa, diz consultor

publicado 10/11/2017 10h12, última modificação 10/11/2017 10h53
São Paulo – Cultivar princípios é se preparar para o futuro, diz Roberto Ziemer (Liderança Integral)
Roberto Ziemer.jpg

Roberto Ziemer, da Liderança Integral: Culturas empresariais dirigidas por valores são as de maior sucesso, porque são inclusivas e pensam no longo prazo

Para o consultor Roberto Ziemer, sócio-diretor da Liderança Integral, empresas que negligenciam princípios organizacionais acabam tomando decisões subjetivas que podem não ser as mais adequadas aos novos tempos.

“É preciso tirar aquelas declarações de missão corporativa da parede e levar os princípios para o dia a dia. Quando esses valores não são reforçados pela liderança, as pessoas começam a tomar decisões com base nas próprias crenças”, de acordo com o consultor, que participou do comitê estratégico de Diretores de RH da Amcham – São Paulo na quinta-feira (9/11).

Crenças são formadas por experiências do passado e conhecimento individual de quem decide. Ziemer argumenta que essa é uma forma de conduzir a empresa baseada no que deu certo em uma época onde o mercado e os consumidores eram diferentes dos dias de hoje.

“A idade média do alto escalão das empresas é de 50 anos e suas crenças se formaram em uma era pré-digital. Se a empresa não tiver um direcionamento sobre onde a empresa deverá estar no futuro, eles vão decidir conforme experiências ligadas ao passado.”

Empresas que cultivam princípios organizacionais estão olhando para frente, na opinião do especialista. “Culturas dirigidas por valores são as de maior sucesso, porque projetam o futuro que se quer concretizar. Isso faz diferença no resultado”, acrescenta.

A construção de uma cultura organizacional deve ser inclusiva, recomenda o especialista. Os valores têm que ser claros e compartilhados e abranger as necessidades dos funcionários, clientes, investidores, sociedade e todos os públicos-chave. “É importante entender a necessidade dos stakeholders e satisfaze-los ao máximo. Quando você cuida deles, eles cuidam de você.”

Mapeando a cultura organizacional

Ziemer presta consultoria sobre mapeamento de cultura organizacional e ajuda empresas que sentem a necessidade de se reposicionar para enfrentar cenários dinâmicos de concorrência. “A maioria das organizações têm valores, missão e visão. Mas será que eles são vividos?”, indaga.

A metodologia de trabalho, baseada nos métodos do guru organizacional Richard Barrett, consiste em apresentar o diagnóstico da cultura à liderança da empresa. “A cultura é reflexo da personalidade dos líderes. Se você quiser muda-la, os líderes terão que se dispor a mudar alguns dos próprios valores e crenças. Especialmente comportamentos”, observa Ziemer.

O segundo passo é pesquisar e mapear a cultura da empresa e realinhar a missão, visão e valores centrais da organização com base nos resultados da pesquisa. “Feito isso, ajudamos o RH a redesenhar sistemas, processos e estruturas de acordo com a nova identidade.”

A parte final é desenvolver líderes, para que eles assimilem a cultura desejada e transmitam a filosofia a toda a empresa. “Durante o processo, avaliamos o que evoluiu dentro da cultura e definimos, com base nisso, a necessidade de programas de desenvolvimento”, comenta.