Integração de sistemas de TI melhorou operações da Gol e Natura

publicado 03/08/2015 16h03, última modificação 03/08/2015 16h03
São Paulo – SOA – Arquitetura Orientada a Serviços – gerou economias operacionais e reduziu processos
paulo-palaia-7929.html

Aproveitando melhor os recursos de softwares e aplicativos de TI (Tecnologia da Informação), a Gol Linhas Aéreas e a Natura simplificaram processos e ganharam agilidade no atendimento ao cliente. Os principais executivos de TI de ambas as companhias foram ao comitê de TIC (Tecnologia da Informação e Comunicação) da Amcham – São Paulo na sexta-feira (31/7), para compartilhar os resultados obtidos com o uso da Arquitetura Orientada a Serviço (SOA, na sigla em inglês).

“O SOA é a integração de diferentes sistemas de TI em um barramento único. Com isso, é possível visualizar e processar informações estratégicas”, define Paulo Palaia, CIO da Gol Linhas Aéreas. Isso significa a possibilidade de reaproveitar dados alimentados em vários aplicativos tecnológicos diferentes, como vendas, operações e logística, mantendo restritas as funções específicas de cada software, e compartilhar aquelas que são comuns a todos os aplicativos.

Palaia disse que a otimização de TI simplificou a gestão online de voos da companhia. Integrando sistemas diversos, foi possível balancear o peso das aeronaves de forma mais precisa, analisando fatores como o número real de passageiros, bagagens e condições climáticas no destino inicial e final da viagem. “Antes da integração, tudo era feito manualmente. Hoje, todos os cálculos são automáticos, o que nos dá muito mais tempo e precisão nos voos”, disse Palaia.

O SOA também foi aplicado na Natura para dar mais agilidade à gestão da força de vendas, conta Agenor Leão, vice-presidente de tecnologia digital da Natura. “Temos 1,7 milhão de consultoras de vendas que fazem pedidos em smartphones, computadores e telefones. O SOA surgiu como facilitador do processo de integração de plataformas e consolidação de serviços em um sistema único”, detalha o executivo.

O reaproveitamento de sistemas de TI existentes gerou uma plataforma mais ágil de pedidos e uma economia de quase nove mil horas em desenvolvimento de projetos em 2014, disse Leão. “Deixamos de gastar cerca de R$ 1,5 milhão com a compra de novos sistemas”, segundo o executivo.

registrado em: