Mudança do comportamento de consumo da terceira idade abre oportunidades no mercado

por lays_shiromaru — publicado 28/05/2015 15h03, última modificação 28/05/2015 15h03
São Paulo – Público quer consumir mais e melhor, diz economista-chefe do SPC
eby-piaskowy-3177.html

Pesquisa do SPC mostra que o perfil do consumidor da terceira idade mudou e está abrindo portas para novas oportunidades no mercado. De acordo com Marcela Kawati, economista-chefe do SPC Brasil, pessoas com 60 anos ou mais são responsáveis por suas decisões financeiras, consumidores exigentes e têm perfil dual que mistura tradição e modernidade.

“Esse público quer consumir mais e melhor”, explicou, em participação no comitê de marketing da Amcham-São Paulo, em 28/05.

O estudo revela que 66% têm como prioridade aproveitar a vida e 52% valorizam produtos com qualidade e não se importam em pagar mais caro. Além disso, 36% afirmaram sentir falta de produtos específicos para sua faixa etária. Entre os mais listados estão roupas, celulares, lugares para sair, turismo, produtos de beleza e maquiagem.

Embarcando nas oportunidades da mudança de comportamento, a Queensberry Viagens montou novos programas para atender pessoas dessa faixa etária. “Percebemos que elas estão com mais disposição para explorar o mundo e procuram experiências diferentes”, conta Eby Piaskowy, diretora de marketing da agência e também palestrante no comitê da Amcham.

A busca por passeios com família e amigos e por alternativas a terapias tradicionais também abre outras possibilidades no mercado, segundo ela.

Os novos produtos e serviços trouxeram vantagens para a agência de viagens. “Isso contribuiu para aumentar a fidelização dos clientes e ampliar o número de passageiros”, revela. “Além disso, ganhamos em reconhecimento. Foi um meio de fortalecer a marca”, conclui.

A valorização da empresa também foi percebida pelo Itaú, que vem desenvolvendo programas para a terceira idade. “Eles são responsáveis por 21% do poder de compra e estão mais sintonizados com novas tecnologias. Temos que acompanhar essa mudança”, disse Eduardo Ferreira, superintendente de Negócios Inclusivos do Itaú Unibanco e palestrante do comitê.

Em 2004, o banco criou a iniciativa Viver Mais, que oferece atividades socioculturais e físicas gratuitas para pessoas com mais de 55 anos. “Organizamos corridas, jogos de tênis, aulas para ensinar a andar de bicicleta”, destaca.

Projetos internos, como as salas de cinema do Itaú, também são aproveitados nesse programa. O banco inclui atividades para ser feitas com a família. “Estamos criando ações intergeracionais, como a leitura para crianças”, conta.

registrado em: