Obsolescência e competição fazem Samsung e Aurora redobrar atenção com gestão logística

publicado 07/08/2015 09h16, última modificação 07/08/2015 09h16
São Paulo – Aparelhos de tecnologia e alimentos precisam ser distribuídos rapidamente no mercado
logistica-foto01.jpg-7993.html

A fabricante de tecnologia Samsung e a processadora de alimentos Aurora atuam em setores distintos, mas os artigos que fabricam – dispositivos e alimentos – precisam ser colocados rapidamente no mercado, devido ao curto prazo de validade. “Produtos de alta tecnologia têm ciclo de vida bastante curto e não podemos manter estoques elevados, por causa da obsolescência e dos concorrentes”, disse Robert Caracik Junior, diretor de logística da Samsung Electronics, no comitê de Logística da Amcham – São Paulo, na quarta-feira (5/8).

No Brasil, a Samsung tem 1600 tipos de produtos – ou SKUs, sigla em inglês para Unidade Mantida em Estoque – divididos em três linhas: Consumer (TV, monitores e som), Linha Branca (lavadoras e impressoras) e IT and Mobile (smartphones, tablets, câmeras, wearables e equipamentos médicos).

De modo geral, para colocar um produto nas lojas é preciso programar sua logística com boa antecedência, segundo Caracik. “O lançamento de um produto acontece seis meses antes. Estamos falando da importação de componentes, montagem e distribuição pelo país.”

O desafio da Samsung é administrar o ciclo de vida de todos os SKUs, que variam conforme as características. Caracik afirma que a estrutura logística da Samsung foi montada para abastecer os clientes diretamente a partir das fábricas.

No país, a Samsung tem três centros de distribuição (CDs) e nove conexões para fazer com que os produtos sejam entregues em todas as localidades. “Mesmo quando os produtos chegam do porto de Santos, tentamos fazer entrega direta de contêineres em nossos pontos logísticos”, acrescenta o executivo.

Aurora

Localizadas no sul e centro-oeste, as 13 cooperativas da Aurora abatem 18 mil suínos, 1 milhão de aves e produzem 1,5 milhão de litros de leite todo dia. Para distribuir os seus processados e lácteos por todo o país – cuja validade da maioria dos produtos não passa de um mês –, a Aurora conta com 46 pontos logísticos e mais de 1.700 veículos de transporte.

No sudeste, a Aurora leva um dia para colocar seus produtos nas lojas, e de quatro a cinco dias no nordeste. Ricardo Souza, gerente de logística da Aurora, disse que o objetivo é reduzir em um dia o tempo de entrega no nordeste. “Para o sudeste, praticamente atingimos o limite”, afirma.

A estratégia é ganhar escala. “Temos que escolher a região onde os nossos produtos têm maior potencial de desenvolvimento, com melhor margem e mercado. Oferecemos serviço de qualidade e volume e, consequentemente, baixos custos. Ficamos mais competitivos.”

registrado em: