Os segredos de Silvio Meira e de grandes empresas para investir em tecnologia com foco no cliente

publicado 14/06/2019 16h05, última modificação 25/07/2019 15h23
Recife – CEO Fórum 2019 recebeu executivos de diferentes companhias para falarem sobre inovação e legado
ceo fórum Recife.jpg

Silvio Meira fala sobre inovação durante o CEO Fórum em Recife

Empreendedores de sucesso constroem negócios e não tecnologias ou produtos. Isso é o que acredita o presidente do Conselho do Porto Digital e um dos fundadores do C.E.S.A.R., Silvio Meira. “O valor de novos negócios está na entrega de novas experiências. Uma experiência de ponta-a-ponta do usuário é uma combinação coesa de dispositivos, canais, conteúdos, pessoas, marcas e serviços”, completou.

O cientista e líder de um dos maiores parques tecnológicos do Brasil esteve presente durante o nosso CEO Fórum na última segunda-feira (10) e reforçou que o futuro é digital. O recado dele foi direto: “Transformação tem que ser uma prioridade para os líderes”. Meira dividiu o palco com a presidente da GE Brasil, Viveka Kaitila; com a presidente do conselho de família do Grupo Cornélio Brennand, Maria Eduarda Brennand Campos, e com o velejador Lars Grael.

Viveka lembrou também da importância da diversidade. Não apenas na questão do gênero, raça, cultura, orientação sexual ou religião, mas a diversidade de pensamento. “Somos um reflexo das comunidades onde atuamos e as pessoas com as quais fazemos negócios”, afirmou.

À frente da GE no Brasil, ela elencou as áreas estratégicas da empresa (aviação, energia e saúde), conduzidas em conjunto com 11 mil funcionários no País. E deu a dica para manter todo mundo focado em obter resultados positivos, que fazem da filial brasileira uma das mais importantes para a companhia em todo o mundo.  “Desenvolver as pessoas. Fazer com que elas se sintam motivadas em um ambiente inclusivo e de muito respeito”, disse.

Também falando sobre legado, Maria Eduarda Brennand Campos, presidente do conselho de família do Grupo Cornélio Brennand, defendeu que “Governança é o pilar da longevidade das empresas familiares”. Ela explicou que o grupo vive um desafio importante, que é preparar a próxima geração para condução do negócio.

Além disso, a executiva lembrou que apenas 3% das empresas familiares, em todo o mundo, chegam à quarta geração. Exatamente o ciclo que o grupo está começando. A executiva está envolvida diretamente na formação dessa próxima geração, mas observou que “esta é que tem que encontrar o seu próprio caminho, que não é necessariamente o caminho da sua geração vem seguindo”.

BONS VENTOS

No último painel do dia, o velejador Lars Grael emocionou a plateia. O atleta contou sua trajetória em parceira com o irmão, os percalços e obstáculos para chegar ao topo de um pódio. Lars destacou, também, a estratégia de transformar crise em oportunidades. “Apreender com a derrota não é fácil, perdi várias vezes, mas desistir, jamais”, acrescentou.

O campeão mundial relembrou sua tragédia ao perder a perna, e contou que se refez mental e fisicamente, com projetos que mudaram sua vida e das pessoas ao seu redor, com orgulho mostrou o Projeto Grael que já conduziu alunos carentes a mares e vitórias até mesmo impossíveis para ele. E por fim, convocou a todos para ajustar as velas de suas vidas e desafiar os seus limites.