Porto do Recife prevê crescimento superior a 54% na movimentação de cargas em 2012

por giovanna publicado 14/03/2012 17h32, última modificação 14/03/2012 17h32
Recife – Serão 3,1 milhões de toneladas transitadas, prevê diretor de Operações e Comércio.
foto_sidnei_aires.jpg

O Porto do Recife prevê aumento de 54% na movimentação de cargas em 2012. Isso significará um salto de dois milhões de toneladas transitadas em 2011 para quase 3,1 milhões de toneladas neste ano. As informações são de Sidnei Aires, diretor de Operações e Comércio do Porto do Recife.

 

“O movimento forte no Porto de Suape tem aberto oportunidades para ampliarmos nossa participação no transporte de cargas”, afirmou Aires, que participou do comitê de Comércio Exterior e Logística da Amcham-Recife nesta terça-feira (13/03).

 

Ele destaca que, apesar de agressiva, a meta ainda representa uma pequena parcela do que é calculado como capacidade total do porto. “Com a estrutura de dez berços de atracação e investimentos sendo realizados na área de pátio, estimamos que o porto tenha capacidade de movimentar até dez milhões de toneladas anualmente”, explicou.

 

De 2012 a 2014, serão investidos mais de R$ 250 milhões na estrutura do porto, tanto em recursos públicos quanto privados. O montante será aplicado em projetos estratégicos para o porto, como a reforma do terminal de passageiros e a dragagem de berços e canais de acesso para aumento da profundidade de navegação.

 

Desconcentração de cargas

 

A desconcentração nas cargas movimentadas é considerada por Aires como uma das chaves para o crescimento na atividade. De acordo com o executivo, o principal  produto que passa pelo Porto do Recife é o açúcar, com 37,3% do total movimentado em 2011. Entretanto, ele aponta que o número já é inferior ao registrado em 2010, quando o açúcar representou 43,1% do total de cargas, sinalizando aumento da participação de outros itens.

 

“Entre 2010 e 2011, tivemos um aumento no transporte de veículos, máquinas e equipamentos, que passaram de 8,6% de toda a carga que passa pelo porto para 16,5%”, informou Aires. Outro destaque nesse período foi o transporte da barrilha (carbonato de sódio), que saltou de pouco mais de 130 mil toneladas movimentadas em 2010, para quase 200 mil no ano seguinte.

 

Novos polos de atração de investimento

 

Aires destaca que outro passo para o crescimento em movimentação de cargas será o desenvolvimento de novos focos de atração no porto. “Pretendemos atender o Polo Farmacoquímico que está se instalando no Norte do Estado e também a fábrica da Fiat que está sendo construída na mesma região”, apontou.

 

Em relação às operações com a Fiat, Aires comenta que este será um fortalecimento para o polo logístico automotivo que já funciona no porto. “Hoje, empresas do segmento como as chinesas Shineray e a Shacman já operam no local”, comentou.

 

Mobilidade urbana

 

A mobilidade é um desafio para os portos localizados em áreas urbanas como Santos, Fortaleza, Salvador e Vitória. Segundo Aires, o tema também preocupa o Porto do Recife. “Já trabalhamos com janelas de tráfego para os caminhões. Eles circulam nos horários de menor movimentação de automóveis na região, mas apenas isso não é suficiente”, disse.

 

Para superar esse entrave, a saída encontrada foi o projeto de reativação do ramal ferroviário que passa pelo Porto do Recife e abre possibilidade de conexão aos estados da Paraíba, Ceará, Piauí, Maranhão, Alagoas e Sergipe. “Acredito que no segundo semestre já consigamos operar esses trens. Por estarem na área urbana, eles também serão utilizados no regime de intervalos de tráfego mais reduzido. A principal vantagem dessa solução é o fato de que cada vagão representa dez caminhões a menos nas ruas”, explicou.

 

 

registrado em: