Produtividade e qualidade de vida: as vantagens do trabalho remoto

publicado 18/07/2013 12h00, última modificação 18/07/2013 12h00
Curitiba – Home office demanda organização jurídica e de gestão, mas agrega produtividade e qualidade de vida
andreia-pinto-andre-e-marina-brik-5459.html

Trabalhar em melhores condições e ainda produzir mais tem sido realidade para um número crescente de profissionais que adotaram o home office, também chamado de trabalho remoto. E de olho nas vantagens do modelo para ambas as partes, empresas e funcionários discutem como formalizar o trabalho a distância, do ponto de vista trabalhista e de gestão.

“O home office deixou de ser uma tendência e virou uma necessidade. Agora, as empresas querem saber como adotá-lo”, comenta Marina Brik, jornalista e consultora, convidada para tratar o tema do comitê de Gestão de Pessoas da Amcham - Curitiba, na quinta-feira (18/07).

Marina e o marido, André Brik, são fundadores do Instituto Trabalho Portátil e do site go home, especializados no tema. Eles são autores do livro As 100 dicas do Home Office e estão prestes a lançar o título Trabalho Portátil.

Ela diz que o site passou a ser muito acessado por empresas que demonstravam dificuldade para adotar o home office, apesar de muitos de seus profissionais já fazerem atividades fora da base, por computador ou smartphone. “Os principais mitos que se criaram, em função dessas dúvidas, são de que o funcionário vai sumir do mapa, por não estar debaixo dos olhos do gestor, e de que a empresa ficará vulnerável a processos trabalhistas”, aponta.

Na prática

Além das adequações jurídicas pertinentes ao RH, o importante, diz Marina, é que se estabeleça uma plataforma de confiança entre gestores e colaboradores, mutuamente. “Até porque há softwares de gestão remota para cada função”, cita.

Outro ponto é formular um plano de comunicação entre gestor e equipe para que o funcionário não seja interrompido a todo momento, impactando na produtividade, um dos pilares desse modelo de trabalho. Marina indica reuniões presenciais de tempos em tempos, como a cada 15 dias, para que não se percam vínculos.

Em casa, é preciso que o profissional estabeleça regras junto à família, para preservar a produção. “Ninguém vai comprar pão no meio do trabalho”, brinca. Também é aconselhável que tenha um ambiente separado, distante da rotina familiar.

Quem pode

Esse modelo de trabalho é apropriado para profissões distintas, como as de comunicação, tecnologia e de vendas. “Todo mundo que consegue levar seu trabalho para outro lugar é candidato a home office”, resume a palestrante.

Segundo a consultora, ele interessa a todos os perfis: trabalhadores em estágio sênior, que queiram se afastar do ritmo frenético das empresas; profissionais da geração Y, acostumada a lidar com tecnologia e remotamente; portadores de necessidades especiais e pais e mães com filhos pequenos.

“A atividade remota é possível não só para chefiados como também para cargos de gestão”, acrescenta. É o caso de Andreia Pinto, gerente de vendas da Volvo do Brasil, empresa que oferece o modelo chamado de flextime, em que o funcionário trabalha na empresa ou em casa de acordo com as necessidades.

Andreia, que deu depoimento para o livro de Marina e participou do comitê na Amcham, chefia 17 pessoas e se reporta a superiores no exterior, por meio de conference call.

Vantagens

De acordo com Mariana, as principais vantagens do home office são a qualidade de vida, a autonomia do tempo e ser “dono do próprio negócio”, quando o profissional não é vinculado a apenas uma companhia.

Para as empresas brasileiras, os motivos para oferecer essa modalidade aos colaboradores passam pela qualidade de vida (72,7%), solução para limitação do espaço físico (60,3%) e alcance de metas de sustentabilidade (19,8%), com base em dados de 2011 da empresa Hays Recruiting.

O home office, para Marina, é uma evolução do mercado de trabalho. “O tempo é cada vez mais escasso, principalmente nas grandes cidades, e valioso. Se há ferramentas de gerenciamento remoto, por que não usá-las? É uma realidade em vários países do mundo e, além de fazer bem para o funcionário, as empresas conseguem, assim, incluir e reter talentos que não estariam em uma base fixa”, finaliza.

registrado em: